Aplicações pouco óbvias para o seu telemóvel

Quer tenha um smartphone novo ou não tencione trocar de aparelho, há mais para instalar além do Facebook e do WhatsApp.

Foto
THomas Peter/reuters

Quantas aplicações tem no smartphone? Já há aplicações para quase tudo – passar o tempo, ser mais saudável, mais organizado, ler notícias, ver séries – e há muitas opções gratuitas. Quer tenha recebido agora um telemóvel novo, ou queira tirar mais partido do seu telemóvel actual, eis algumas aplicações que ajudaram, motivaram ou distraíram ao longo de 2017 (e que não são o Facebook, Instagram, Zomato, Uber ou outras bem conhecidas).

Be My Eyes. Emprestar os olhos

Pode “emprestar os seus olhos” a pessoas cegas ou com problemas de visão. O conceito do Be My Eyes (iOS e Android) é simples: instala-se a aplicação, definem-se as línguas que se consegue falar, e quando alguém com problemas de visão pede ajuda, recebe-se uma notificação. O utilizador que responder primeiro entra numa videochamada e pode descrever à outra pessoa aquilo que está a ver através da câmara do telemóvel.

PÚBLICO -
Foto
A aplicação, para ajudar ou ser ajudado, está disponível em várias línguas Be My Eyes

A aplicação faz parte de uma nova tendência de microvoluntariado, em que as pessoas podem instalar aplicações móveis, para ajudar os outros, ocasionalmente, e em alguns minutos.

Sweat deck. Um baralho de exercício

Há um personal trainer disfarçado de baralho de cartas. Chama-se Sweat Deck (iOS). Quando se abre a aplicação, escolhe-se o nível (de iniciante a ás avançado), a condição física, e o tempo que se tem. Depois, surge-nos um conjunto de cartas baralhadas: cada uma contém sugestões de exercícios – dos saltos, a flexões, aos temíveis burpees.

PÚBLICO -
Foto
O exercício transforma-se num jogo de sorte Sweat Deck

É uma boa forma de variar a rotina no ginásio (se já é um ás), ou começar a acrescentar novos exercícios ao seu dia. Sempre que tiver alguns minutos livres – por vezes, bastam 60 segundos – abra a aplicação e tente completar as sugestões (dez agachamentos!) antes de o tempo acabar. Se não gostar de um dos exercícios propostos, pode empurrá-lo para o final do baralho e deixá-lo para o fim. Como em quase todas as aplicações, tem um relatório sobre o seu progresso. Pode criar baralhos personalizados.

Viki. O mundo para lá do Netflix

Há mais televisão – no smartphone – além do Netflix. Alargue o seu leque de conhecimentos sobre filmes e séries com uma aplicação que disponibiliza conteúdo da Coreia, China, México, Japão, Tailândia e muitos outros países pelo mundo fora. Descreve-se como a “televisão global impulsionada pelos fãs”. Todos os programas estão legendados em mais de 200 línguas por uma comunidade de fãs ávidos. A missão dos criadores – que começaram com um site de tradutores voluntários em 2007 – é quebrar as barreiras entre entretenimento de qualidade e fãs de todo o mundo.

PÚBLICO -
Foto
Muitos programas incluem legendas em português Viki

A Viki (iOS e Android) trabalha com estações de televisão, produtores e distribuidores do mundo inteiro para obter conteúdo licenciado para a aplicação e para versão desktop. Há uma versão paga, que dá acesso a conteúdo mais recente, séries exclusivas e que tem menos publicidade.

Quem criar uma conta na aplicação (não é obrigatório), pode ainda elaborar colecções dos seus programas preferidos, consultar o historial de exibição (caso se esqueça do nome de um filme que gostou), e escrever ou ler críticas sobre aquilo que vê. 

Loner. Um jogo sem pontos

É uma experiência relaxante disfarçada de videojogo. Em Loner (iOS e Android), o utilizador pilota (de forma simples) um biplano, passando por espaços apertados, num percurso minimalista e de cores fluorescentes. Não há outro objectivo que não o de chegar o mais longe possível, ao som das 13 faixas da banda sonora, que também pode ser ouvida online. À medida que progride, o jogador vai recebendo curtos capítulos de um livro com uma história dramática. Não há pontuação, nem ninguém contra quem competir. “É apenas pura tranquilidade e solidão”, afirmam os criadores.

The Sims Freeplay. Jogar com a nostalgia

Se em algum ponto na sua vida, nas últimas duas décadas, jogou (e gostou de jogar) uma das muitas encarnações de The Sims, vai gostar de The Sims Freeplay (iOS e Android). A aplicação gratuita permite recordar (durante alguns minutos ou horas) a famosa série de jogos electrónicos de simulação de vida real que tem evoluído desde 2000. Crie bonecos virtuais, casas de sonho, edifique cidades, e ajude os Sims a completar (ou arruinar) os seus objectivos de vida. Também é uma boa aplicação para entreter crianças durante viagens de carro durante as férias (é recomendada para maiores de 12 anos).

PÚBLICO -
Foto
Distraia-se a construir (ou destruir) vidas virtuais Electronic Arts

Há quem descreva o jogo como uma excelente forma de meditação, ou escapismo, em que se tem o poder para criar e construir mundos virtuais. O problema com o jogo é que é uma aplicação freemium. Com o avançar do jogo surgem opções especiais que só se podem aceder ao pagar. Além disso, a versão gratuita não tem a opção de fastforward, que serve para passar à frente partes aborrecidas, como ver o seu Sim a dormir.

Files Go. Arrumar o telemóvel

O Google criou o Files Go (Android) a pensar nos países em desenvolvimento, onde os telemóveis tendem a ser de baixo custo e têm um espaço de armazenamento reduzido. Mas a aplicação pode ser usada por qualquer pessoa e é uma forma simples de pôr o telemóvel em ordem. O objectivo de Files Go é ajudar a libertar espaço. A aplicação lista os ficheiros de maior dimensão, bem como os ficheiros duplicados e os que são temporários. Também indica quais as aplicações que não são usadas. Com um toque em cada uma destas categorias, é possível seleccionar aquilo que se quer apagar e ver quanto espaço fica livre.