Há fogo, e apelos à solidariedade, no conto de natal de Lavradas

Comunidade de Ponte da Barca perdeu a igreja do século XVIII num incêndio, esta semana, e procura formas de a reerguer. A solidariedade movimentou a população, tocando até gente que nem frequentava o templo, diz o pároco.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Solidariedade não está na lista de palavras do ano em Portugal que uma conhecida editora costuma organizar. Os incêndios que puxaram por ela, levando milhares de portugueses a mobilizarem-se pelas populações afectadas, ficam na memória de todos, e por estes dias há uma aldeia do Alto Minho que viveu de perto o poder destrutivo das chamas. Lavradas viu o fogo consumir a velha igreja paroquial, e este Natal, a missa que assinala o nascimento de Cristo vai ter de ser celebrada na Junta de Freguesia.  

Este é o conto de Natal que ninguém em Lavradas queria guardar para as gerações futuras. Referência maior na vida daquela paróquia desde o final do século XVII, a igreja foi destruída num incêndio que deflagrou na madrugada de segunda-feira. No interior do templo, restam apenas as paredes, nuas, a sacristia e os escombros enegrecidos de madeira, de telha e de talha dourada sobre um chão a céu aberto. Esta segunda-feira, às 11h30, o bispo de Viana do Castelo, Anacleto Oliveira, preside à Missa de Natal, num sinal improvisado de apoio institucional a uma comunidade em sofrimento.

O evento abalou a população. “É como se tivéssemos perdido algo nosso, algo que vive dentro das nossas paredes”, confessava o presidente da Junta de Lavradas, André Fernandes, enquanto acompanhava, na terça-feira, as acções de limpeza protagonizadas pela equipa de Protecção Civil da Câmara de Ponte da Barca. O autarca reconhece que a situação tem contornos ainda mais “frágeis” por ocorrer perto do Natal, convicção partilhada por Rosa Alves, catequista há mais de 30 anos na paróquia.

“Não sei como a comunidade vai reagir. Vai ser um Natal triste”, disse, recordando detalhes do templo, antes das chamas: o altar-mor dourado, o altar de Nossa Senhora de Fátima à esquerda da entrada principal, com a Sagrada Família “muito antiga”, em baixo, e, sobretudo, a escultura de Jesus Cristo. “Não se via Cristo em igreja nenhuma como o nosso. Parecia mesmo perfeito, parecia mesmo natural”, evocou.

Lavradas, situada numa freguesia com 875 habitantes, segundo o Censos de 2011, apela ao sentido de parilha da época, e as primeiras respostas não tardaram a surgir. Pároco naquela comunidade há cerca de um ano, Filipe Sá realça o esforço da comunidade, inclusive de “gente que não participava na igreja”, mas também o apoio já manifestado pela Câmara Municipal, por entidades dispostas a “apresentar espectáculos para angariação de fundos” e por paróquias do mesmo arciprestado (Ponte da Barca), mas também de Caminha, de Melgaço, dos Arcos de Valdevez e até de Barcelos.

PÚBLICO -
Filipe Sá é pároco de Lavradas há um ano. Agora tem uma igreja para reconstruir Adriano Miranda

Esta disponibilidade vai ao encontro do pedido do bispo de Viana, divulgado pela Agência Lusa, a meio da semana, para as restantes paróquias da diocese contribuírem para a reconstrução da igreja com os donativos recolhidos nas missas de Natal. Outras iniciativas solidárias estão a ser divulgadas através das redes sociais. O Clube da Juventude Barquense, uma organização juvenil católica, anunciou na sua página de Facebook que reuniu voluntários para a recolha de donativos em 12 das 25 paróquias de Ponte da Barca, nas missas de 23 a 25 de Dezembro.

A página “Os Amigos de Lavradas” divulgou, na mesma rede social, o número da conta solidária para quem quiser doar uma quantia à paróquia. Embora sem garantias até agora, o presidente da Junta de Freguesia espera ainda contar com a ajuda dos empresários da freguesia e também dos emigrantes, que residem, sobretudo, em França e em Andorra, mas também no Canadá e nos Estados Unidos da América.

Reconstrução ainda por definir

O investimento necessário para reerguer a igreja é, para já, desconhecido. Com o prejuízo ainda por avaliar, André Fernandes realçou que a Junta de Lavradas não tem ainda noção dos gastos, mas diz que já se encontra a pesquisar se a obra é enquadrável nalgum mecanismo de financiamento. Também o presidente da Câmara, Augusto Marinho diz que vai tentar “todas as vias” para financiar a recuperação do templo, embora, até agora, a autarquia tenha estado concentrada em “limpar e estabilizar o edifício”, disse.

A reacção à perda começou logo na segunda-feira, com uma equipa da protecção civil da Câmara Municipal de Ponte da Barca a deslocar-se ao local para arrumar os destroços que se espalhavam pela superfície da igreja e remover as vigas que suportavam o tecto, inseguras, antes de começar a limpar a igreja, explicou o supervisor da equipa, Carlos Dantas. A limpeza, estimava o responsável, deveria estar concluída até ao Natal, antes de a madeira ser substituída por saibro, para evitar uma possível inundação daquele espaço, com as chuvas.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

Na terça-feira, alguma ordem já tinha sido reposta: o chão de madeira, apodrecida e negra, estava visível, com algumas tábuas instáveis e outras, já removidas, amontoadas num dos lados. Sob o azul do céu matinal, os trabalhadores repartiam-se nas tarefas: alguns, de pá, removiam destroços na zona onde Filipe Sá, antes, presidia às eucaristias; outros, de carrinho de mão, retiravam-nos da igreja. No exterior, o edifício aparentava ser o mesmo de outrora, mas a mancha negra junto à borda do relógio - só restaram os ponteiros - revelava o que sucedeu no interior.

Foi precisamente o mecanismo que ligava o relógio aos sinos que denunciou as chamas à vizinhança que dormia. “Dei por conta do fogo, porque o sino tocou a defunto . Mas abri a janela e vi que ainda era de noite”, conta Manuel Cerqueira, de 69 anos, residente na zona da igreja há mais de 40. Só quando abriu a porta de casa é que se apercebeu do incêndio. 

As chamas, recorda, projectavam-se para fora da igreja junto à cruz que, no telhado, encimava a divisória entre a nave e o coro onde estava o altar-mor. As telhas estalavam. Depois de ter ligado aos bombeiros, ainda se dirigiu com uma mangueira para a igreja, mas, incapaz de arrombar a porta, limitou-se a ver o fogo queimar o resto do edifício, antes da chegada dos 30 elementos das corporações de Ponte da Barca, de Ponte de Lima e dos Arcos de Valdevez, que, entretanto, extinguiram as chamas.

A ocorrência está sob investigação da Polícia Judiciária. Entre a comunidade, porém, impera a teoria de que um curto-circuito na instalação eléctrica, antiga, terá sigo a fonte de ignição para o incêndio. “Os fios estavam encostados à madeira. Quando entrei para mordomo há 25 anos, com o padre José Carneiro, já aquilo estava assim. Tinha de dar problemas”, explica Armando Gomes, notando que todos os dias apagava as velas. 

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

A catequista Rosa Alves lembrou que a paróquia comprou, há 12 anos, um aspirador, mas a instalação não aguentava a energia da máquina. O padre Filipe Sá disse até que a paróquia já estava a “angariar fundos para colmatar o problema”, mas já não foi a tempo.

Órfãos do principal espaço para o culto, os paroquianos querem, pelo menos, aguentar as rotinas até hoje alimentadas, semana após semana. Com 80 anos, Armando Gomes preparava os paramentos para o pároco, tocava o sino e “deixava tudo organizado”. Mesmo com as missas transferidas para a sede da Junta de Freguesia, o mordomo quer prosseguir o trabalho.

“Tenho de o fazer enquanto estou vivo. Vou continuar com a mesma rotina lá, enquanto o padre me quiser”, assegurou. As actividades da catequese e dos grupos corais juvenis, promete Rosa Alves, também vão prosseguir como eram, ainda que num cenário “muito diferente”. “Não podemos falecer”, declara.

A igreja não estará de pé a tempo da Páscoa, a maior festa litúrgica dos católicos, garantiu o pároco. Com o projecto de reabilitação ainda por concretizar, Filipe Sá adiantou que a reconstrução vai decorrer “conforme as possibilidades que vão surgindo”, e que “fazer bem feito” aquilo que se tem de fazer é a prioridade para, um dia, entregar de novo aquele espaço à comunidade. Para já, Lavradas espera que o seu (triste) conto de Natal mobilize os corações nas paróquias vizinhas, de modo a conseguir, rapidamente, reescrever o final desta história.