Morreu o arcebispo de Boston que protegeu padres pedófilos

Bernard Law nunca enfrentou consequências judiciais pelos crimes sexuais cometidos contra crianças.

Foto
O arcebispo em 2004 Reuters/Alessandro Bianchi

O arcebispo de Boston, Bernard Law, que durante décadas protegeu padres pedófilos nos Estados Unidos, morreu durante a madrugada desta quarta-feira, aos 86 anos.

No início de 2002, o cardeal Law reconheceu ter protegido um padre, Paul Shaney, contra o qual existiam várias provas de abuso sexual contra crianças. No entanto, as investigações sobem o número para mais de 90 predadores sexuais.

Bernard Law tinha conhecimento dos crimes sexuais a menores e ocultou as denúncias, protegendo os predadores, que relocalizava de paróquia em paróquia. No total, os abusos afectaram crianças em 102 cidades norte-americanas e 105 dioceses em todo o mundo.

Natural de Torreon, México, Law era filho de um coronel da Força Aérea norte-americana e de uma música. Foi ordenado sacerdote em 1961 e em 1973 tornou-se bispo de Springfield-cape Girardeau, no Missouri. Em 1984 foi promovido a arcebispo metropolitano de Boston. Um ano depois, o papa João Paulo II nomeou-o cardeal. Reuniu milhões de dólares para apoiar vítimas de desastres naturais e esforçou-se para melhorar as relações entre católicos e outros grupos cristão, recorda a BBC. No entanto, o seu envolvimento no escândalo sexual marcaria a sua carreira.

Depois do escândalo de pedofilia, saiu de Boston, e mudou-se para o Vaticano, onde morreu esta quarta-feira.

Saiu dos Estados Unidos sem nunca ter respondido judicialmente aos crimes de abuso sexual a menores e os padres envolvidos nas denúncias também não enfrentaram consequências criminais.

A sua “segunda oportunidade” no Vaticano, onde trabalhou como arcebispo papal na biblioteca da Basílica Santa Maria Maior foi encarada como insultuosa para as crianças vítimas dos crimes sexuais.

O filme Spotlight conta a investigação jornalística do Boston Globe aos escândalos sexuais ligados à Igreja Católica que conduziram ao afastamento do arcebispo Bernard Law. A série de reportagens foi premiada com um Pulitzer e Spotlight conquistou o Óscar de Melhor Filme na edição de 2016.