A lista de prendas para quem adora viajar

Mapas para bordar, cadernos com 100 anos e o maior explorador do mundo. Estes são objectos para dar a volta ao mundo (só não incluímos viagens nem livros).

Foto
Manuel Roberto

Tintim, o explorador

Antárctida, Austrália, Irão, Japão, Indonésia, Israel, Libano, Sri Lanka, China, Nepal, Paquistão, Arábia Saudita, Índia, Peru, Colômbia, Venezuela, Jamaica, Egipto, Marrocos, Argélia, Islândia e um longo rol de países europeus — que inclui Portugal. A lista de carimbos no passaporte só podia pertencer a Tintim, um dos maiores exploradores do mundo. O jornalista belga, personagem criada por Hergé, dá nome à loja portuense Timtim Por Timtim (Rua da Conceição, 27-29) e está espalhada pelas suas prateleiras, paredes e recantos. Entre as toneladas de livros que enchem o espaço, há um sem número de bonecos perdidos e achados, desde figuras de PVC (12,50 valor base) e de resina (25 euros), foguetões à escala, carros de todas as aventuras (25 euros), agendas (10 euros) e calendários para 2018 (13,95). Não vá embora sem apreciar o poster gigante ao fundo da loja. É do capítulo Tintim e o Templo do Sol e está avaliado em 1200 euros.

PÚBLICO -
Foto

Mapas para raspar e bordar

Onde é que eu já estive de férias? Entre as prateleiras da Bairro Arte, uma verdadeira salada de fruta de objectos, encontra-se uma invulgar colecção de mapas, globos e outros sucedâneos. Há globos de cortiça (tamanho S a 55,90 euros; tamanho L a 125 euros), globos de papel (49,90/115 euros), globos luminosos (99 euros), globos para pintar (19,90 euros) e até globos hexagonais (24,90/34,90 euros) e uma série mapas em diversos tamanhos e materiais, que permitem afixar na parede e assinalar as últimas aventuras. O mais extravagante será o Mapa Pin World XL em feltro lavável e engomável com 45 pins vermelhos (77X48cm; 139,90 euros), mas há mapas transparentes, mapas dos oceanos e das capitais, mapas para escrever com giz, mapas para bordar e mapas para raspar os países que já visitámos. Alguns destes items estão também disponíveis nas lojas Natura (que editou a série All you need is to travel around the world) e na Capitão Lisboa, onde também há guarda-chuvas mapa-mundo (17,90 euros).

PÚBLICO -
Foto

Carteiras de papel

As carteiras de papel da Cartel são totalmente artesanais e veganas, plastificadas, minimais e pouco volumosas. Entre os motivos de decoração estão os mapas, pretexto mais que perfeito para estarem nas prateleiras do espaço Espiga, que tem uma livraria temática de viagens — e um dia por semana em que apresenta Viagens ao Mundo (sem sair do sofá). A Cartel aceita encomendas e pedidos especiais de personalização. 

PÚBLICO -
Foto

Cadernos seculares

Existem mil e um blocos, diários e outras espécies de Moleskine que nos ajudam a organizar as nossas viagens — antes, durante e depois das mesmas. E existe "o verdadeiro caderno português". A marca Emílio Braga foi fundada em 1918 na Rua Nova do Almada, encontra-se nas mãos da quarta geração e continua a produzir o "galocha", do francês Galuchat, um caderno de bolso, "distinto e característico com a sua lombada e cantos reforçados em tecido colorido, de produção totalmente artesanal". Para além da selecção disponível no site da empresa, há uma colecção de seis modelos diferentes especialmente produzida para A Vida Portuguesa. A propósito, mesmo ao lado estão as cartas da Litografia Maia, perfeitas para uma viagem longa.

PÚBLICO -
Foto

Mochilas Viena-Porto

Kraxe é sinónimo de rückentrage, que significa mochila. O mais curioso é que esta mochila surgiu algures entre Viena e o Porto com a ideia de "colocar no mercado um produto que poderia unir as diferentes realidades do dia-a-dia da Europa do Norte e Central com as do Sul". Essa "diversidade no clima, hábitos, mentalidades, sabores e cores" expressam-se numa "mistura de qualidade, criatividade e funcionalidade" nos produtos da marca concebida no Porto. Os preços variam entre os 89 e os 225 euros.

PÚBLICO -
Foto

Capota para a chuva

Passamos a citar: a capota da Queda, uma marca de peças únicas, protege da chuva e é feita com material reciclado. São telas reaproveitadas. Não existem duas iguais e existem em vários tamanhos. Os modelos (18 euros) estão em exposição no Instagram e na loja na rua Rua D. João IV, 246, no Porto.

PÚBLICO -
Foto

Máquinas fotográficas seguras

Coordame Straps é uma marca portuguesa que produz manualmente correias para máquinas fotográficas em corda e couro. Começou em Abril de 2016 e apresenta-se como uma alternativa personalizável às correias de origem das marcas tradicionais. "Usamos o maior cuidado na produção de cada uma das nossas straps, por forma a assegurar que são bem produzidas, fortes e perfeitamente ajustáveis ao seu propósito."

 Veja o guia de compras de Natal completo do PÚBLICO aqui.