City não terá acordo especial com a UE após o "Brexit"

Negociador do bloco europeu rejeita qualquer tipo de estatuto especial para praça financeira londrina.

Foto
Por enquanto, a bandeira da UE ainda é hasteada junto ao palácio de Westminster Reuters/Toby Melville

Se havia dúvidas, ficaram agora esclarecidas: não vai haver qualquer tipo de acordo entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido que permita dar um estatuto especial à praça financeira londrina. Esta mensagem foi passada por Michel Barnier, responsável pelas negociações do "Brexit" do lado da UE, citado pelo jornal britânico The Guardian.  

De acordo com este diário, Michel Barnier esclareceu que é inevitável que os bancos e empresas financeiras britânicas percam o “passaporte” que lhes permite funcionar em todo o espaço europeu, como consequência da saída do mercado único. “Não há lugar [para os serviços financeiros]. Não há um acordo individual disponível para os serviços financeiros. Isso não existe”, afirmou Barnier, acrescentando que isso é o resultado da “linha vermelha que os britânicos escolheram”.

Até aqui, conforme explica o The Guardian, o Governo de Teresa May tinha esperanças numa espécie de “Canadá  + + +”, numa referência ao acordo de 2016 do bloco europeu com este país da América do Norte, e que, além do acordo comercial semelhante ao do Canadá, implicasse também os serviços financeiros.

Para já, o que está previsto nas conversações entre Bruxelas e Londres (com Paris e Frankfurt a tentarem tirar proveito do efeito do "Brexit" na City) são três acordos, ligados à cooperação judicial, segurança e defesa e aviação (para não haver disrupções no transporte aéreo face ao que se verifica actualmente).