Costa diz que era difícil maior rapidez na reconstrução de Pedrógão

Em visita à região, primeiro-ministro adiantou que 70% das casas estão construídas ou em fase adiantada.

Fotogaleria
António Costa explicou que a sua frase sobre o ano saboroso para Portugal foi tirada do contexto LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
Em Cernache do Bonjardim cumprimentou empresários LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
Costa numa das casas reconstruídas, em Nodeirinho LUSA/PAULO NOVAIS
Fotogaleria
LUSA/PAULO NOVAIS

O primeiro-ministro considerou, neste sábado, que era difícil haver mais rapidez na mobilização do país para os incêndios de Pedrógão Grande, frisando que houve um trabalho muito grande por parte de todos.

"Acho que era difícil ter havido maior rapidez na mobilização do país e na força com que se mobilizou para estes incêndios de 17 Junho. Estar aqui seis meses depois, com 70% das casas ou construídas ou em fase adiantada de obra, significa que houve um trabalho muito grande por parte de todas as entidades", disse António Costa, no final da visita que fez ao concelho de Pedrógão Grande, onde entregou as chaves de três habitações aos respectivos proprietários.

O governante registou ainda aquilo que designou de "capacidade notável" que as populações, empresas e autarcas e a solidariedade do conjunto do país tiveram para o renascer dos dramas vividos. "Há dramas insuperáveis, mas felizmente há uma capacidade de fazer renascer que é muito importante. E, o que podemos ver nestes concelhos, quer nas empresas, quer nas casas, é uma grande vontade de as famílias se manterem, manterem as suas vidas e fazerem renascer a vida nestes territórios", frisou.

"Só quatro casas é que ainda estão em fase de projecto. Todas as outras estão numa fase mais adiantada. Há muito trabalho feito e é muito reconfortante ver que tem sido possível reconstruir, e hoje já temos famílias que, felizmente, vão poder passar o Natal nas suas novas casas", disse.

Adiantou ainda que todos os prazos que têm sido dados pelos empreiteiros das obras foram cumpridos, pelo que está optimista em que, nos próximos meses, a fase de reconstrução das habitações esteja concluída.

Contudo, sublinha que, após esta fase de reconstrução, de apoio às famílias, aos feridos e às empresas, há mais trabalho a fazer. "É preciso que o país nunca esqueça que, depois desta fase da reconstrução, do apoio às famílias, aos feridos e empresas, há um trabalho de fundo muito importante que temos de fazer que se prende com a revitalização do interior e com o reordenamento desta floresta."

O ano saboroso

Questionado pelos jornalistas sobre a expressão que utilizou em Bruxelas [2017 “foi um ano particularmente saboroso para Portugal”], que também mereceu reparos a Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro disse: "Acho que há palavras que não devem ser retiradas do contexto em que foram ditas. E essa expressão foi utilizada num contexto próprio, perante funcionários de Portugal que trabalham nas instituições europeias e sobre as relações de Portugal com a União Europeia."

O governante explicou que a palavra que utilizou ("saboroso") na quarta-feira, em Bruxelas, seria desajustada em Pedrógão Grande, como teria sido desajustado falar da tragédia dos incêndios de 17 de Junho na capital belga.

"Cada palavra deve ser dita em circunstância própria e tirar a palavra da circunstância própria para fazer combate político não creio que seja uma forma saudável de estarmos na vida democrática", sustentou.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações