GuiDance busca múltiplos futuros e apresenta Rui Horta em dose dupla

Festival de dança contemporânea de Guimarães tem várias estreias, entre elas de coreógrafos gregos. É também ocasião para descobrir valores futuros.

Fotogaleria
Autobiography, do britânico Wayne McGregor Richard Davies
Fotogaleria
Jaguar Uupi Tirronen Zodiak Center for New Dance
Fotogaleria
Vader Herman Sorgeloos
Fotogaleria
Vespa João Duarte

À oitava edição, o festival de dança contemporânea de Guimarães, GuiDance, pretende estabelecer uma “linha de tempo”, apoiada no passado para traçar caminhos de futuro nas nove obras que serão apresentadas de 1 a 10 de Fevereiro de 2018. Com três estreias de coreógrafos internacionais em Portugal, o cartaz do GuiDance inclui duas peças de Rui Horta, uma delas, Humanário, em estreia absoluta.

As tentativas de diálogo entre ciência e arte, o ideal e o real e corpos mais novos e mais velhos unificam-se num esforço de construir eventuais futuros para o homem e para o seu corpo, em mais um GuiDance.

O festival, salientou o programador do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), em Guimarães, Rui Torrinha, projecta-se como “uma linha de tempo” em que se reflecte “sobre a ancestralidade e a criação de futuros” com alguns dos “mais importantes criadores contemporâneos”, quer nacionais, quer internacionais, mas, ao mesmo tempo, com o palco disponível para valores que podem, no futuro, ocupar o primeiro plano da dança contemporânea.

A reflexão sobre o passado e a projecção do futuro começam nos genes, com a obra Autobiography, do britânico Wayne McGregor, uma das três estreias em território luso, agendada para o dia 1 de Fevereiro, no Grande Auditório do CCVF. A obra funda-se na ideia de “corpo como arquivo”, portador de um código genético, para reconstruir memórias e especular sobre o futuro — o coreógrafo sequenciou todo o seu genoma e, a partir daí, um algoritmo escolheu um fragmento de cada um dos 23 pares de cromossomas para definir os 23 movimentos que compõem o espectáculo.

O artista em destaque no festival é, porém, o veterano Rui Horta, pela “ligação muito forte” com a cidade, frisou Torrinha. Aos 60 anos, o coreógrafo voltou a ser bailarino em Vespa, pondo fim a uma ausência de mais de 30 anos dos palcos. A peça a solo de uma personagem a lidar com os demónios na sua cabeça estreou-se em Abril último, no Vila Flor, e vai ser reposta a 7 de Fevereiro, na black box do Centro Internacional de Artes José de Guimarães. “Estou sempre angustiadíssimo nos primeiros dez minutos da Vespa. Depois, divirto-me imenso”, confessou Rui Horta.

Dias antes, a 3 de Fevereiro, o CCVF vai ser o palco da estreia absoluta de Humanário, a sua mais recente criação, que visa mostrar cerca de 40 pessoas em palco “na sua beleza e na sua curiosidade” e celebrar tais dimensões humanas através da voz, o “elemento unificador”. Apostado em fazer algo que lhe desse “gozo”, o artista rumou todas as semanas, durante dois meses, de Montemor-o-Novo, onde reside, a Guimarães para criar a peça com o músico Tiago Simães, e vai replicá-la no Verão em Madrid.

Descrevendo o evento como “excepcional”, o coreógrafo destacou ainda a exibição, a 9 de Fevereiro, da peça Jaguar — “uma manifestação de sentidos praticamente incontrolável, que escapa a rótulos artísticos”, tal como se lê na sinopse da peça distribuída aos jornalistas — da autoria de Marlene Monteiro Freitas, em colaboração com o alemão Andreas Merk. Rui Horta considerou “muito importante” que “a região” possa ver a “maior criadora” portuguesa da actualidade, que neste momento está a “reescrever a história da dança mundial”.

O festival conta ainda com Vera Mantero, que vai apresentar, em Guimarães, O Limpo e o Sujo, peça estreada em 2016, onde os corpos em palco, através do movimento, expelem e absorvem, ao mesmo tempo, o que de sujo têm no seu interior.

A “bússola” aponta para a Grécia

As outras duas estreias em Portugal são de artistas gregos: Cementary, de Patricia Apergi, com a Aerites Dance Company, e Titans, de Euripides Laskaridis. O programador artístico explicou que o CCVF, em cada ano que programa o GuiDance, tem “vontade” de procurar “novas geografias na bússola” e vai acolher, neste ano, dois olhares sobre o Sul da Europa. Rui Horta mostrou-se entusiasmado com a presença grega no festival, pela ligação estabelecida há quatro anos, quando O Espaço do Tempo, projecto que criou quando regressou a Portugal, acolheu criadores que tinham deixado aquele país, incluindo Patricia Apergi, na sequência da crise económica. “Quando Portugal e Grécia estão juntos, celebrando os seus artistas, algo de incrível acontece”, reiterou.

A obra de Patricia Apergi, de teor social, procura retratar a cidade como um labirinto caótico, um lugar onde os sem-abrigo vagueiam por ruínas e onde deixa de haver lugar para o sonho. Já Euripides Laskaridis interroga-se sobre a distância entre o ideal e o real com um espectáculo “mais estranho, visual, ficcional”, assumiu Torrinha. A peça de Laskaridis é uma das duas que procuram reflectir a “emergência” de novos valores no GuiDance. A outra é Da insaciabilidade no caso ou ao mesmo tempo um milagre, peça de Joana von Mayer Trindade e Hugo Calhim Cristóvão, que procura celebrar, com quatro bailarinos em palco, a arte de Almada Negreiros.

O festival vai encerrar onde começa, a 10 de Fevereiro, com a solidão que transparece em Vader, da companhia belga Peeping Tom, que regressa a Guimarães depois de em Setembro, no 12.º aniversário do CCVF, ter apresentado Moeder, outra peça da mesma trilogia. A companhia vai ter a seu cargo uma das masterclasses no âmbito do GuiDance – a outra é de Wayne McGregor. Além desta iniciativa, vão decorrer conversas após os espectáculos, visitas às escolas e dois debates sobre o pensamento na dança, moderados pela jornalista Cláudia Galhós.