Jogos de tabuleiro com ADN digital

Estas férias, experimente jogar Angry Birds sem um smartphone e construir uma civilização inteira na mesa de jantar.

Foto
Este Natal, experimente jogar sem ser no ecrã Fernando Veludo/NFACTOS

Pode-se construir uma civilização inteira na sala de estar, jogar Angry Birds sem um ecrã, e derrotar zombies com um baralho de cartas. Deixe a tecnologia de lado na quadra natalícia para experimentar uma versão diferente de alguns clássicos digitais: Civilization, Star Wars, e até Angry Birds são alguns dos videojogos que já têm uma versão não digital.

Um jogo de tabuleiro em oito bits

O Boss Monster é o jogo de cartas que permite competir pelo título de “vilão de videojogo supremo” – como o infame Bowser que guardava a Princesa Peach numa masmorra até o Super Mario (ou o Luigi) chegarem para a salvar. É inspirado na etapa final de vários videojogos em que o herói tem de enfrentar o “inimigo final” (frequentemente chamado boss) para terminar a aventura. Quando a batalha é transportada para o tabuleiro, os jogadores vestem a pele do boss e competem para criar a masmorra mais aliciante (com um maior número de tesouros e armadilhas) que possa atrair e prender o maior número de heróis perdidos.

PÚBLICO -
Foto
Há vários heróis para escolher Boss Monster

Ganha o primeiro jogador a conseguir capturar e vencer dez heróis “tipo-Super Mario” nas suas masmorras. A dificuldade do jogo é equilibrar o desejo de atrair o maior número heróis (e dessa forma ganhar o jogo) com o objectivo de derrotar os heróis que vêm parar à masmorra. Se as armadilhas construídas forem demasiado aliciantes, os jogadores correm o risco de enfrentar heróis capazes de os derrotar.

Cada jogo dura entre 20 e 30 minutos, para dois a quatro jogadores. Há 155 cartas que incluem tipos de masmorras, feitiços e heróis medíocres ou “épicos”. Custa cerca de 21 euros.

A estratégia da civilização ideal

Dominar o mundo (e a história da humanidade) é um objectivo ambicioso. O objectivo do videojogo de culto Civilization é construir uma civilização desde a antiguidade até aos tempos modernos ao tomar decisões militares, culturais e económicas.

Por vezes, passar horas em frente a um ecrã a planear estratégia pode parecer assustador. Na versão do jogo de Sid Meier para tabuleiro, cada jogador veste a pele de um líder histórico famoso, com qualidades e defeitos específicos, e vê a sua civilização crescer (através de batalhas, evolução cientifica, e avanços culturais). As escolhas são inspiradas no império romano, na civilização japonesa, asteca, americana, francesa entre outras.

O tabuleiro é composto por vários hexágonos e pode ser expandido com peças extra que se vão encaixando. O grande foco é a estratégia – as batalhas ficam em segundo plano. Quando dois exércitos se enfrentam, o vencedor é escolhido através de um rápido jogo de “pedra, papel, tesoura”.

PÚBLICO -
Foto
Fantasy Flight Games

Ganha quem completar um dos dois objectivos que selecciona aleatoriamente no início do jogo. Por exemplo, construir duas das sete maravilhas do mundo. Cada jogo demora duas a quatro horas. Custa cerca de 70 euros.

PÚBLICO -
Foto
Civilization

Pontaria e pássaros enraivecidos

Os jogos para smartphone também têm um lugar nesta lista. Embora o Angry Birds não seja tão popular e comum como em tempos, ainda conseguiu transformar-se num jogo de tabuleiro. A batalha de pássaros enfurecidos e cabeças de suínos ainda não acabou!

Tal como o conceito que lhe deu origem, a versão “física” do Angry Birds é bastante simples: os jogadores tiram cartas aleatoriamente que incluem instruções para esculturas mais ou menos fáceis de montar, onde posicionam (estrategicamente) as cabeças dos porquinhos verdes (o alvo dos adversários)

PÚBLICO -
Foto
Mattel

Depois, os adversários têm de tentar acertar no alvo com pássaros enfurecidos atirados de uma catapulta. Quantas mais peças e porquinhos acertarem, mais pontos ganham. As cartas estão dividas em quatro níveis de dificuldade.

O jogo é recomendado para maiores de cinco anos, e cada sessão dura cerca de 25 minutos. O preço ronda os 20 euros. Há uma versão espacial.

Quando os zombies infectam o tabuleiro

Neste jogo, as personagens, armas e centenas de corpos em estado de decomposição dos videojogos do Resident Evil foram comprimidos num pequeno jogo de tabuleiro. Em suma: um vírus mortífero está a levar os mortos a acordar e atacar os vivos, e um grupo de pessoas (neste caso, os jogadores em torno do tabuleiro) fugiu para uma mansão misteriosa onde devem reunir materiais, forças e estratégias para combater os mortos-vivos.

Em vez de armas, os jogadores têm cartas que usam para lutar contra os zombies. Cada jogador começa com um conjunto de dez cartas que se vai expandindo (com sorte) consoante o desenrolar do jogo. Há cartas de armas, imunidade, objectos e acções especiais que tornam a batalha contra os zombies mais fácil (ou difícil).

PÚBLICO -
Foto
Resident Evil

No total, há 250 cartas à escolha. O jogo é recomendado para grupos de quatro e para maiores de 13 anos. Cada sessão dura cerca de 30 minutos. Custa cerca de 60 euros (sem portes incluídos) na Amazon. Há uma página no Kickstarter para a criação de uma versão actualizada.

Lute entre as estrelas

A saga Star Wars também tem uma versão de tabuleiro. O jogo é desenvolvido pela mesma equipa que faz o Civilization, a Fantasy Flight Game. A versão traduzida ronda os 100 euros.

Ao jogá-lo é possível enviar os heróis para recuperar os planos da “Estrela da Morte”, confundir o Império com ordens falsas, ou derrotar exércitos de death troopers facilmente. O jogo traz trinta e seis miniaturas, três dados e mais de cem novas cartas. É recomendado para dois jogadores e dura cerca de uma hora e meia a quatro horas. Para maiores de 14 anos.

Ambições digitais de tabuleiro

A ePawn é uma proposta que nasceu na França em 2012 para unir a emoção de jogos de tabuleiro em grupo com a imersão dos videojogos. O conceito da Arena é um tabuleiro digital em que as peças físicas podem ser controladas via smartphone ou tablet

A superfície consegue monitorizar até 32 peças ao mesmo tempo, via wifi, e é capaz de detectar a posição e orientação dos objectos. O objectivo é que um só tabuleiro permita jogar vários jogos.