Parlamento só aprova recomendações do PS para avaliar alternativas para CTT

A reprivatização dos CTT, que rendeu aos cofres do Estado mais de 900 milhões de euros ao todo, foi feita a dois tempos.

Parlamento não aprova resoluções sobre CTT de regresso ao Estado
Foto
Parlamento não aprova resoluções sobre CTT de regresso ao Estado Nuno Ferreira Santos

O Parlamento chumbou esta sexta-feira resoluções do BE, PEV e PCP que propunham a nacionalização dos CTT e aprovou uma do PS que sugere um grupo informal para avaliar alternativas à reprivatização.

Os textos do Bloco, PEV e PCP eram a favor da defesa do serviço público dos CTT e pela reversão da privatização da empresa, decidida pelo Governo anterior, de direita, e foram chumbadas com votos do PS, PSD e CDS-PP.

A única resolução aprovada foi a do PS, a recomendar ao Governo que promova uma "avaliação das responsabilidades contratuais subjacentes à concessão em vigor entre o Estado e os CTT (...) no sentido da ponderação dos possíveis modelos, e respectivas consequências, resultantes da conclusão do contrato de concessão".

Os socialistas pedem ainda ao executivo que "pondere os possíveis modelos, e respectivas consequências, nomeadamente as resultantes da conclusão do contrato de concessão, bem como as alternativas, de outra natureza, que se colocam".

A votação aconteceu depois de um debate no Parlamento em que PSD e CDS-PP rejeitaram responsabilidades no serviços dos CTT e PCP, PEV e Bloco defenderam a reversão da privatização.

A reprivatização dos CTT, que rendeu aos cofres do Estado mais de 900 milhões de euros ao todo, foi feita a dois tempos.

Inicialmente, em Dezembro de 2013, o Estado vendeu 70% do capital social da empresa a 5,52 euros por acção, numa operação que permitiu um encaixe de 579 milhões de euros.

Já em Setembro do ano seguinte, vendeu os restantes 30% que detinha através da Parpública ao preço de 7,25 euros por acção, uma operação que ascendeu a 343 milhões de euros.