Hard Club: uma “ideia punk” que nasceu há vinte anos

Abriu em Gaia em 1997 e mudou-se para o Porto em 2010. Nasceu para dar casa à cena musical que emergiu na cidade pela viragem do século. Este fim-de-semana comemora duas décadas com concertos.

Fotogaleria
Kalú, um dos fundadores, com Davide Lobão, programador do Hard Club há meio ano. ADRIANO MIRANDA/ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Em baixo, concerto dos Orelha Negra em 2016. Marco Duarte

Decorre o ano de 1997. No Porto e arredores há uma série de bandas a editar primeiros e segundos discos. Os Clã estão a lançar Kazoo, um ano depois de sair LusoQUALQUERcoisa, dos Turbojunkie sai o segundo álbum, Used, os Ornatos Violeta estreiam-se com Cão, os Blind Zero editam Redcoast, e os Zen acabam de editar o primeiro EP e preparam-se para lançar The Privilege of Making the Wrong Choice. Na mesma altura, há um público mais a norte que, para ver concertos de bandas internacionais de média dimensão, só pode fazê-lo deslocando-se a Lisboa. O Anikibobó ainda está aberto e mais alguns bares onde não cabe muita gente, e existem salas como o Coliseu ou o Sá da Bandeira para concertos de maior dimensão. O Pavilhão Infante Sagres já há alguns anos que não serve de sala de espectáculos, e a Casa da Música ainda está longe de ser uma realidade. Falta na cidade um clube com capacidade intermédia dedicado exclusivamente à música, com dimensão suficiente para receber uma plateia até mil pessoas.

“Por que é que os gajos do Porto têm de ir a Lisboa para ver concertos?”, é a pergunta que surge numa conversa entre dois amigos no extinto Johnny Guitar, em Lisboa. É num concerto de AC/DC, no Estádio do Restelo, que encerram a conversa iniciada dias antes, para passarem à acção. São esses dois amigos Kalú, nascido no Porto — baterista dos Xutos & Pontapés e um dos sócios do Johnny Guitar —, e Pedro Lopes. É da questão lançada em 1996 que surge, um ano mais tarde, a resposta materializada. Nasce o Hard Club (HC), em Dezembro de 1997, há 20 anos, nas margens do Douro, ainda do lado de Gaia, obra da dupla que na altura se junta a um terceiro sócio, que mais tarde acaba por deixar o projecto. Actualmente, são quatro sócios.

Todo o processo que levou à abertura do HC nasce de “uma ideia punk e um bocado anárquica”. É assim que Kalú, que conversa connosco no restaurante no piso de cima do Mercado Ferreira Borges, no Porto, onde está actualmente instalado o clube, define a atitude por detrás do “sonho” tornado realidade. Havia a necessidade de contrariar hábitos estabelecidos. Ao mesmo tempo há uma nova cena musical a despontar no Porto. No resto do país, o cenário não é diferente. Existem os Tédio Boys, Blasted Mechanism, Primitive Reason, Silence 4, entre outras bandas.   

Uma casa de culto

Criou-se um culto. Todas estas bandas passaram mais do que uma vez pelo palco montado no edifício de pedra propriedade da família de Kalú, onde funcionou uma tanoaria. O público correspondia e enchia regularmente o mainfloor, que muito se assemelhava a um pedaço de uma rua. Abriu-se a porta nessa altura a outras novas bandas, que, entretanto, emergiam. “Além de o pessoal do Porto poder ver concertos, era também nossa filosofia contribuir para dinamizar as bandas da zona e de todo o país, independentemente do género”, recorda. Muitas das vezes, “pouco interessava o prejuízo”, afirma, remetendo para os tempos do Rock Rendez Vous nos anos 1980, onde diz ter tocado mais de 40 vezes com os Xutos & Pontapés, “em muitas ocasiões para 10 ou 15 pessoas”.

Importante seria criar um ambiente de clube onde os músicos se pudessem encontrar. “O Johnny Guitar (em Lisboa) abre também com essa finalidade. Muitas vezes ficava meses sem ver outros colegas. Ali era onde nos encontrávamos. Os Palma’s Gang nasceram no Johnny Guitar”, conta. Queria replicar esse ambiente no Porto.

Baterista dos Zen, André Hollanda, que também toca com Jorge Palma e noutros projectos, actuou no HC uma mão-cheia de vezes. Recorda a primeira versão do espaço, em Gaia, onde funcionou até 2006, antes do interregno de quatro anos até reabrir no Mercado Ferreira Borges, como um “sítio mítico” com um “ambiente único”. Foi lá que foram criadas as Ruber Sessions, na sequência do encontro com outros músicos que frequentavam o clube. Essas sessões, em que se tocavam versões, iniciaram-se com membros da sua banda da altura, mas mais tarde alargaram-se a outros músicos, como são exemplo Miguel Ferreira, teclista dos Clã, os irmãos Praça, na altura nos Turbojunkie, Marta Ren, Ace, dos Mind a Gap, Marco Nunes, na altura nos Blind Zero, André Indiana, entre outros. “Era realmente um ponto de encontro”, não tem dúvidas.

Mais do que isso é parte da história dos Zen. “As duas coisas confundem-se. Já existíamos antes, mas o nosso percurso está muito ligado ao do HC”, afirma. Foi lá que gravaram um álbum ao vivo. Recorda a importância do clube na altura em que apareceu como base para uma cena musical que estava em ascensão, mas que no Porto não tinha um espaço com a dimensão adequada para tocar.

Foi no HC que viu alguns dos concertos de bandas internacionais que mais o marcaram, como é o caso dos norte-americanos Caléxico ou dos Morphine. O espaço actual continua a ser um espaço de referência onde continua a tocar e a ver concertos de bandas que lhe agradam.

João Carvalho, um dos directores do Vodafone Paredes de Coura, que, com a promotora Ritmos, da qual é sócio, trabalhou durante um ano com o clube, afirma que o HC terá sido fundamental para essa cena musical que apareceu na segunda metade dos anos 1990. Recorda o HC de Gaia como um dos espaços de concertos mais bonitos da Europa, e destaca a importância da continuidade, agora noutro local. Relembra os concertos dos Zen, “com a formação original”, como uma das bandas desse circuito que mais o entusiasmaram.

Sublinha, no entanto, que no HC não faltam concertos de bandas nacionais e internacionais de qualidade: “Quem nunca viu lá um dos concertos da sua vida?”, questiona.

Pelo HC passaram mais de 11 mil artistas nacionais e internacionais — cerca de cinco mil por Gaia e aproximadamente seis mil pelo Mercado Ferreira Borges. É uma casa de culto para públicos de vários géneros musicais: heavy metal, rock, punk, electrónica ou hip hop. Qualquer fã destes subgéneros se identificará com o HC como sendo um espaço onde o que gosta de ouvir tem destaque.

Aposta na abrangência

Actualmente baterista dos Orelha Negra, Fred Ferreira, filho de Kalú, continua a identificar o HC como sendo uma espécie de “meca” do hip hop nacional. Foi por lá que passaram bandas nascidas num dos berços do hip hop portuense, o extinto Comix Bar, em Cedofeita, como os Mind a Gap ou os Dealema. O HC terá sido uma segunda casa para um sem-número de bandas do género e o espaço de referência para este nicho que gradualmente foi ganhando força.

“Aconteceu com o hip-hop, com o rock, com o metal e com outros géneros. É um espaço abrangente e casa de muitos públicos”, sublinha.

É na abrangência que o HC quer continuar a apostar. Na rota das “digressões europeias de grandes bandas de metal”, quer integrar as mesmas rotas dentro de outros géneros, diz-nos Kalú, que actualmente, além de sócio, voltou a integrar a gerência em Maio.  

Se no início da reabertura, em 2010, “no pico da crise”, passaram por algumas dificuldades, desde 2014 “as coisas estabilizaram”. Diz o proprietário que o único apoio que tiveram foi um financiamento do QREN, totalmente aplicado para criar as infra-estruturas das duas salas e do restaurante. “Não temos qualquer apoio para a programação”, sublinha. O ano de 2018 diz ser o da afirmação: “Estamos a renovar a equipa, a renovar algumas infra-estruturas e, daqui para a frente, além de continuarmos a trabalhar com promotoras externas, vamos voltar a apostar em produção própria.”