Mdou Moctar, Moon Duo e AGF no gnration em 2018

O espaço bracarense apresentou a sua programação para o primeiro trimestre do próximo ano. The Selva, Six Organs of Admittance e Zimoun também marcarão presença.

Foto
Fevereiro será também tempo para o regresso de Ben Chasny, o grande guitarrista americano, em modo Six Organs of Admittance Elisa Ambrogio

Acabem lá de fazer os balanços do ano, de pesquisar os discos, os livros, as séries e os filmes apresentados como imperdíveis mas que, por uma qualquer razão, ainda não viram. Ou melhor, continuem nessa boa tarefa de descobrir o bom que por cá ficou em 2017, mas guardem um tempo para pensar no que aí vem. Para pensarem no que vai a Braga, por exemplo, e, mais especificamente, ao gnration. O primeiro trimestre já tem destaques e, portanto, é apontar na agenda: entre Janeiro e Março, Moon Duo, 10 000 Russos, Six Organs of Admittance, Mdou Moctar, AGF.

O ano começará com a apresentação do que resultará da residência que farão no gnration The Selva, ou seja Ricardo Jacinto, no violoncelo, Gonçalo Almeida, no contrabaixo, e Nuno Morão, na bateria, autores este ano de “The Selva”, lançado pela Clean Feed. Já em Fevereiro, preparemo-nos para a boa viagem de rock'n'roll feito psicadelismo minimal com o concerto que, dia 9, agrupa no mesmo cartaz os Moon Duo de Ripley Johnson e de Sanae Yamada, que trazem consigo os dois volumes de “Occult Architecture” editados este ano (a digressão dos americanos passará também pelo Salão Brazil, em Coimbra, dia 10, e pelo Musicbox, em Lisboa, dia 12), e os 10 000 Russos, a banda radicada no Porto que passou os últimos meses a apresentar “Distress Distress” Europa fora.

Fevereiro será também tempo para o regresso de Ben Chasny, o grande guitarrista americano, em modo Six Organs of Admittance, nome através do qual fomos contactando com a sua música ao longo dos anos. “Burning the Threshold”, o seu álbum mais recente, será o mote para a noite (dia 24) em que também actuará Luís Martins, guitarrista de Deolinda que tem desenvolvido carreira paralela, quer ao lado da pianista Joana Sá (Almost a Song e, também com o harpista Eduardo Raon, nos POWERTRIO), quer a solo (“Tentos – Invenções e Encantamentos” é o título do disco que editou este ano). Dia 25 de Fevereiro, Ben Chasny apresentará também um workshop sobre o seu Hexadic System, um método de composição por si criado que já esteve na origem de dois dos seus álbuns mais recentes.

Quanto a Março, encerrará, no que diz respeito às novidades agora adiantadas pelo gnration, com Mdou Moctar, guitarrista nigerino que se tem distinguido por propagar até à estratosfera a rica tradição da música tuaregue, ou o blues do deserto, como lhe vão chamando por facilidade no mundo ocidental (os rockers Bed Legs actuam no mesmo dia, 22, aproveitando para fazer a pré-apresentação do seu segundo álbum).

Antes, dia 16, será apresentada uma nova instalação audiovisual de AGF, ou seja, a música electrónica e artista alemã Antye Greie, cujo trabalho desenvolvido ao longo das últimas duas décadas se cruzou com Vladislav Delay ou com Ellen Alien, entre muitos outros (o trabalho estreado no gnration ficará patente até 16 de Junho).

A programação inclui ainda o concerto na escuridão protagonizado pelo artista suiço Zimoun, dia 20 de Janeiro, Alex Augier na performance audiovisual _nybble_, dia 2 de Março, e os Dead Man Talking, colectivo bracarense ligados às linguagens electrónicas que apresentará dia 17 de Março o concerto de música inédita encomendado pelo gnration no âmbito do seu programa Trabalho de Casa, pelo qual passaram anteriormente os Ermo ou Gonçalo.