Portugal prolonga cooperação com CERN até 2030

Até 2021, Portugal prepara a instalação de nova unidade de saúde para tratar por ano cerca de 700 doentes com cancro usando tecnologias de partículas de alta energia.

Foto
Um dos detectores do acelerador de partículas LHC, num túnel em Genebra, na fronteira franco-suíça DENIS BALIBOUSE/Reuters

Portugal vai prolongar até 2030 a cooperação com o Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), que gere o maior acelerador de partículas do mundo, anunciou o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).

A assinatura do acordo para cooperação científica e tecnológica no período 2018-2030 é esta na sexta-feira, em Genebra (Suíça), assinalando o 25.º aniversário de uma reunião onde foram lançadas as primeiras ideias para o acelerador de partículas LHC. A quota anual de Portugal em 2017 para o CERN foi de 11 milhões de euros, segundo dados do MCTES. 

De acordo com a mesma fonte, o ministro vai assinar um protocolo com a directora-geral do CERN, Fabiola Gianotti, que permitirá alargar a cooperação científica entre Portugal e aquela instituição, “no sentido do desenvolvimento de projectos na área da física experimental de altas energias”. O encontro servirá ainda para discutir desenvolvimento investigação de novas tecnologias pelo CERN.

Uma das questões em debate será a preparação por Portugal da instalação, até 2021, de “uma nova unidade de saúde para tratar anualmente cerca de 700 doentes com cancro recorrendo a tecnologias de partículas de alta energia”, adianta ainda o ministério.

Portugal aderiu ao CERN há mais de 30 anos, ao longo dos quais a participação nacional se traduziu em trabalhos de investigação envolvendo físicos e engenheiros portugueses no acelerador de partículas, além da participação nacional nos programas científicos. 

Sugerir correcção