"Por acaso já não me lembrava disso", diz Manuel Delgado de e-mail sobre saldo negativo

O agora ex-secretário de Estado da Saúde garantiu em entrevista à TVI que nunca colaborou na gestão da Raríssimas e que não tinha conhecimento da sua frágil situação financeira. Confrontado com um e-mail do então contabilista, respondeu: "não liguei nenhuma a isto".

Foto
LUSA/Tiago Petinga/Arquivo

Num excerto de uma entrevista que a TVI realizou com Manuel Delgado, o secretário de Estado da Saúde que apresentou nesta terça-feira a demissão devido ao caso da Raríssimas afirma que não tinha conhecimento da situação financeira difícil da instituição. Confrontado com um e-mail enviado por um antigo contabilista em que este o informa do saldo negativo da Raríssimas, Delgado disse que não se lembra de tal correspondência.

Manuel Delgado deixou o Governo esta terça-feira na sequência da reportagem da TVI denunciando a gestão da Raríssimas, da qual foi consultor entre 2013 e 2014 e recebeu uma remuneração total de 63 mil euros.

No excerto da entrevista que o canal já transmitiu, efectuada antes do pedido de demissão, o agora ex-secretário de Estado garante que “nunca” participou na gestão da instituição. “Até porque seria indelicado da minha parte tentar intrometer-me numa questão para a qual não fui convidado”, justificou.

Confrontado com um e-mail onde o então contabilista da Raríssimas pede a Manuel Delgado a sua “opinião no sentido de ser invertida a situação financeira”, e referindo um saldo negativo de cerca de 300 mil euros, o antigo consultor garante que não se lembrava dessa mensagem. “Por acaso não me lembrava disso”, disse. “Estas matérias não competiam ao meu trabalho. Opinar ou ter qualquer tipo de intervenção”, continua, acrescentando que não foi para isso que foi contratado.

No entanto, Delgado admite que “provavelmente” tomou conhecimento dos números citados na altura em que recebeu a informação do contabilista, mas ignorou a questão. “É uma matéria tão específica da questão que não liguei nenhuma a isto”, justificou.

Sugerir correcção