Segurança de discoteca morto a tiro em zona com policiamento reforçado

Polícia Judiciária está a investigar o caso e não houve detenções até ao momento. PSP diz que tem havido reforço policial nas zonas de diversão nocturna e não apenas na zona ribeirinha, local da discoteca Barrio Latino.

Foto
Discoteca localiza-se na zona de Santos, em Lisboa Miguel Manso

Um segurança da discoteca Barrio Latino, em Lisboa, morreu nesta sexta-feira após ter ser atingido por um tiro no parque de estacionamento junto à entrada principal deste espaço nocturno da zona ribeirinha. O homicídio foi confirmado ao PÚBLICO pela porta-voz do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa, Helga Bento. Até ao momento, "ninguém foi detido", disse fonte da Polícia Judiciária (PJ). 

A PSP recebeu o alerta às 13h e, quando chegou ao local, o ferido de 42 anos já tinha sido transportado numa viatura particular de um amigo para o Hospital de São José onde viria a morrer. O agressor não se encontrava no local, esclarece Helga Bento. "Tratou-se de um homicídio" e o caso está a ser investigado pela PJ. O INEM não chegou a ser chamado.

A vítima terá sido atingida “a cerca de 100 a 150 metros depois do final do estacionamento”, diz ao PÚBLICO um dos administradores da discoteca, Fernando Pinto. 

Um ou mais suspeitos

Segundo relata a porta-voz da PSP, um grupo chegou à discoteca e tentou provocar distúrbios. “Os seguranças colocaram os intervenientes” no exterior e estes voltaram com uma arma de fogo. Nesse momento, um dos seguranças presentes foi alvejado na cabeça. A PSP fala em "intervenientes". A PJ não confirma se há mais do que um suspeito.

Fernando Pinto refere que não estava no local na altura dos desacatos mas teve conhecimento de que o grupo que causou distúrbios vinha de uma outra discoteca e que queria entrar na Barrio Latino.

O espaço estava encerrado ou prestes a encerrar, diz, e os seguranças – que são contratados através de uma empresa externa – não os deixaram entrar no estabelecimento, o que terá provocado uma reacção agressiva por parte do suspeito agora em fuga. A Barrio Latino abre durante a noite e madrugada, como discoteca, e continua aberta entre as 5h e hora do almoço, como espaço after-hours que passa música electrónica.

"Os after-hours trazem-nos muito problemas. Esta discoteca e as outras" que estão abertas fora de horas, diz fonte da Direcção Nacional da PSP. "Nestes espaços [fora de horas] há muito álcool acumulado, as pessoas vêm de outros sítios" e criam-se situações propícias a haver "desacatos", acrescenta. A mesma fonte confirmou que a discoteca é uma das mais problemáticas da zona e que a PSP é constantemente solicitada para aparecer lá devido a rixas entre clientes, uma delas terá terminado com um esfaqueamento à porta.

Diferentes versões

Helga Bento diz que a PSP “tem vindo a reforçar a presença de polícias nas zonas de diversão nocturna de Lisboa, não só da zona ribeirinha" do Cais do Sodré a Alcântara, "mas noutros locais de concentração de muitas pessoas". E explica: "Houve reafectação e uma flexibilização de meios da PSP com recurso ao Corpo de Intervenção e à Unidade Especial."

Esta última intervém em operações de manutenção da ordem pública ou seu restabelecimento depois de distúrbios civis, situações de alto risco, segurança de instalações sensíveis e de grandes eventos, entre outras. "O objectivo da reafectação, com recurso a estas forças, é fazer um policiamento de prevenção. Se houver distúrbios, terão de actuar", conclui.  

O administrador do espaço, por seu lado, diz que não notou qualquer reforço de polícias nos últimos meses: a polícia continua a passar, sim, mas não com mais frequência. “Há uns dois meses fomos pedir reforço policial e eles disseram que iriam continuar a passar com mais frequência”, diz Fernando Pinto. O responsável argumenta que o espaço é “pacífico” e que não tem recebido queixas. “Mas a casa é uma coisa, a clientela é outra. Há quem venha para o bem e quem venha para o mal." 

Os acontecimentos terão sido presenciados por testemunhas. "A PSP não sabe quem foi, mas eles [os colegas da vítima] sabem quem ele é", diz Rafael, um sexagenário que se apresenta como "padrinho" ou "pai adoptivo" de Nuno, a vítima, cujo pai faleceu quando ele era criança. 

"Muita confusão"

Ao lado de Rafael, Daniela, ex-companheira da vítima, não contém as lágrimas. Estava separada dele há muito pouco tempo. O seu telefone não pára de tocar. "Nós éramos a única família dele. Nós e os amigos", diz entre duas chamadas. 

"Ele trabalhava sempre à noite" e em várias discotecas. "Quem não sabe dos perigos de ser segurança em discotecas? Mas era o trabalho dele. Eu alertava para esses perigos, dizia para ele ter cuidado, mas várias vezes ele chegou a casa com sangue." Nesta discoteca, diz Daniela, "havia muita confusão". Não sabe ao certo o que aconteceu: "Já ouvi várias versões."