Meo Marés Vivas muda-se para a Antiga Seca do Bacalhau e duplica capacidade

Novo recinto fica a 500 metros do anterior. Capacidade passa de 25 mil para 40 mil pessoas. Primeiro cabeça de cartaz será anunciado até ao final do ano.

paulo pimenta
Foto
paulo pimenta

Há uma estreia em Portugal e um regresso ao festival agendado para 20, 21 e 22 de Julho do próximo ano. Os norte-americanos Goo Goo Dolls e os irlandeses Kodaline são as primeiras confirmações do Meo Marés Vivas que em 2018 se muda para os terrenos da Antiga Seca do Bacalhau, a 500 metros do antigo recinto, e duplica a capacidade de público. Até ao final do ano será anunciado o primeiro cabeça de cartaz, garantiu Jorge Lopes, director da PEV-Entertainment, que organiza o evento, na sessão de apresentação desta quarta-feira de manhã no convento Corpus Christi, em Gaia.

Em Novembro passado, os Kodaline falharam a data marcada para o Campo Pequeno, após terem cancelado a digressão europeia agendada para essa altura. A banda de indie folk colmata a falha com novo concerto a 21 de Julho no festival por onde já passaram em 2016. Com 30 anos de actividade, os Goo Goo Dolls, que em Maio deste ano lançaram You should be happy, estreiam-se em Portugal no dia anterior.

Três dias de agenda estão por fechar. Certo é que o cartaz será composto por bandas que agradarão ao público do Marés Vivas, garante a organização. E que público é esse? Jorge Lopes diz que é um público heterogéneo composto por várias faixas etárias. Faz por isso parte do “ADN do festival” chegar tanto ao público mais velho como ao mais jovem. Continuará a apostar-se num cartaz equilibrado entre bandas e artistas mais velha guarda e valores mais recentes. Promete o organizador do festival, com um orçamento de três milhões de euros – cerca de 200 mil são apoio da Câmara de Gaia –, que este será “o melhor cartaz de sempre”. O preço do bilhete diário continua a ser 35 euros. O passe geral sobe de 60 para 65.

Mais perto do rio e do mar

Imagem de marca do festival é a proximidade do rio e do mar. Promete a organização que o novo recinto não vai defraudar o público habituado ao anterior, quase em cima do Douro, com vista para o Porto. De acordo com Jorge Lopes, o novo estará até “mais próximo do rio e do mar”. A vista continua a ser a mesma.

Mantém-se na praia do Cabedelo, mas a 500 metros do antigo recinto, onde já não se pode realizar por existirem planos dos proprietários dos terrenos para construir. Vai para a Antiga Seca do Bacalhau e terá uma área três vezes maior do que a anterior e capacidade para 40 mil pessoas.

“Sem atropelos e com mais conforto”, assim decorrerá a próxima edição do Marés Vivas, diz o director da PEV-Entertainment. O novo recinto triplica a área e “dobra a capacidade” – o anterior recinto comportava apenas cerca de 25 mil pessoas. Caberia ainda mais gente no novo local mas, para que a circulação do público decorra sem o congestionamento que marcou as últimas seis edições, completamente esgotadas, opta-se por dar mais espaço a quem lá anda: “O conforto é fundamental. Com um recinto três vezes maior vamos poder oferecer aos visitantes novas experiências e mais segurança.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações