O que diz a imprensa internacional sobre a eleição de Centeno

Do “fim simbólico” da austeridade à “difícil tarefa de encontrar compromissos entre os 19 países” da zona euro, eis o que se escreve aquém e além-mar sobre a chegada do "Ronaldo do Ecofin" à liderança do Eurogrupo.

Foto
LUSA/OLIVIER HOSLET

A eleição de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo é destacado nos jornais internacionais, principalmente nos europeus. Uns lembram a alcunha de “Ronaldo do Ecofin”, outros notam que é o primeiro presidente deste grupo informal da zona euro com origem no Sul da Europa, em particular de um país que foi alvo de um programa de resgate financeiro.

Espanha

El País

“Mário Centeno presidirá ao Eurogrupo e põe um ponto final simbólico à austeridade”

“Todas as presidências de instituições europeias estão nas mãos de conservadores. Todas? Não”. É assim que o El País começa por dar a notícia da eleição de Centeno, citando o ministro português numa entrevista que deu ao jornal espanhol há alguns meses. Nessa altura, Centeno, afirmou que a receita europeia era “errada, parcial e incompleta”. O jornal escreve que a eleição do português põe um “ponto final simbólico na narrativa de austeridade”.

El Mundo

Centeno, novo presidente do Eurogrupo

O El Mundo recorda que, a princípio, o nome de Mário Centeno foi recebido com “cepticismo”, mas que “os extraordinários números da sua gestão, a falta de candidatos de maior peso entre as forças de esquerda e a reconciliação entre socialistas e populares europeus (que levou a que nenhum conservador se apresentasse) alteraram este espectro”.

Além disso, o jornal espanhol diz que a eleição do ministro das Finanças português “serve para compensar o Sul por anos de desgaste, repreensões e acusações”. “E tem um sabor delicioso”, atira ainda o El Mundo.

El Confidencial

“Mário Centeno, o ‘Ronaldo’ que endireitou as finanças lusas, presidirá ao Eurogrupo”

O El Confidencial recorda a alcunha “Ronaldo do Ecofin” para começar a falar de Centeno. E diz que esta alcunha não foi atribuída “por um qualquer”, mas por Wolfgang Schäuble, que era “que era até há uns meses quem marcava o passo das finanças europeias”.

“O forte do ministro das Finanças português foi ter posto em ordem a economia do seu país, depois de, em 2011, ter sido obrigado a pedir um doloroso resgate para evitar a bancarrota”, escreve ainda o jornal.

França

Le Monde

“Português Mário Centeno eleito presidente do Eurogrupo”

O jornal francês defende que Centeno terá “a difícil tarefa de encontrar compromissos nos 19 países” que compõem o Eurogrupo.

Libération

“Mário Centeno, um homem de esquerda à frente do Eurogrupo”

“Tudo um símbolo”. É assim que o jornal gaulês descreve a eleição de Centeno. “Porquê um símbolo? Desde 2015, Centeno faz parte de um Governo que se baseia numa aliança sem precedentes entre socialistas e a Esquerda radical”, observa o Libération, lembrando o resgate financeiro a que o país esteve submetido entre 2011 e 2014 e, claro, a famosa alcunha atribuída por Schäuble.

Itália

Corriere della Sera

“Português Centeno é o novo presidente do Eurogrupo

Numa curta notícia, o jornal italiano recorda a redução do défice alcançada pelo Governo português, os números do emprego e o objectivo de reverter a austeridade aplicada em Portugal durante o programa de resgate.

La Reppublica

“Centeno será o novo presidente do Eurogrupo”

O La Reppublica destaca, também num curto artigo, a satisfação do ministro das Finanças italiano por ter visto o candidato à liderança do Eurogrupo que apoiou vencer esta eleição.

Reino Unido

Financial Times

“Centeno vence a corrida”

O jornal económico diz que o ministro português é o primeiro “presidente-eleito do Eurogrupo de um Estado-membro do Sul e o primeiro a representar uma economia que esteve sob resgate”.

O Financial Times diz ainda que Centeno chegou a ser comparado pelos seus opositores a Yannis Varoufakis, antigo ministro das Finanças grego, relembrando que o Governo socialista de Portugal conta com o apoio “da Esquerda radical e dos comunistas anti-euro”. “Mas a reputação pessoal de Centeno e a economia que ele liderou foram transformadas nos últimos dois anos”, sublinha o jornal.

Estados Unidos

New York Times

“Eurogrupo, a olhar para o passado período de crise, escolhe o novo líder de Portugal”

“Um economista português vai ser o novo líder do grupo que gere crises na zona euro, um sinal de que os líderes da região podem estar prontos para deixar para trás uma era durante a qual o euro aparentava estar à beira do colapso”, diz o jornal norte-americano, defendendo que a União Europeia pode estar a deixar para trás as políticas de austeridade, elegendo um ministro de um dos países mais afectados pela crise financeira para liderar o Eurogrupo.

Politico

“O próximo líder do Eurogrupo vai ser Mário Centeno”

A edição europeia do Politico destaca também que Centeno será o primeiro presidente do Eurogrupo originário de um país do Sul da Europa, que foi alvo de um programa de resgate, defendendo que esta eleição é um reconhecimento dos resultados económicos alcançados pelo Governo português.