Costa quer mudar a Europa, a começar pelo euro

Numa altura em que se discute a eleição de presidente do Eurogrupo, o primeiro-ministro defendeu, em frente a socialistas europeus, que tem de haver uma reforma da união económica e monetária para que deixe de haver “uma moeda do Sul e outra do Norte”.

Fotogaleria
António Costa encerrou a Cimeira do PES LUSA/TIAGO PETINGA
Fotogaleria
Em Portugal estiveram os líderes socialistas europeus LUSA/TIAGO PETINGA
Fotogaleria
Candidatura de Centeno foi um tema em debate LUSA/TIAGO PETINGA

O primeiro-ministro não esconde que gosta de ouvir os elogios que lhe são feitos pelos colegas socialistas europeus, reunidos por dois dias em Lisboa. Partindo de Portugal, António Costa quer que a Europa siga alguns exemplos do que está a fazer por cá e que aposte na coesão entre os países, incluindo nos impostos e numa reforma da moeda única.

Dias antes da eleição do próximo presidente do Eurogrupo, o grupo informal de ministros das finanças da zona euro, o timing não é de somenos. O primeiro-ministro português quer que o debate na União Europeia seja sobre haver mais coesão e essa tem de começar pelo euro. No discurso de quase 25 minutos no encerramento da Cimeira do Partido Socialista Europeu, Costa não falou de alianças à esquerda lá fora, falou sobretudo de políticas. Políticas que diz terem contrariado a austeridade e aí há outra cara para mostrar, a de Mário Centeno, que “tem sido parte essencial desta mudança política”.

No topo das prioridades do chefe do Governo para a Europa está uma reforma da moeda única. “A reforma da união económica e monetária é essencial para que não seja apenas uma moeda única, mas uma moeda que sirva as diferentes economias da União Europeia”, porque esta tem de ser um “factor de união e não de desunião”. “Se houver mais estabilidade no Sul da Europa, haverá certamente mais riqueza no Norte da Europa”, disse, rematando que “não podemos continuar a ter uma moeda do Norte e uma moeda do Sul”.

Aos colegas socialistas de todos os países da União Europeia, Costa quis mostrar que a história portuguesa é de sucesso, mas nem precisou de se esforçar muito para os convencer. Prova disso é o apoio “de toda a família socialista”, disse, à candidatura de Mário Centeno ao Eurogrupo. Não sendo o tema essencial desta convenção, a eleição do presidente do Eurogrupo, marcada para segunda-feira, acabou por dominar alguns discursos. E se isto é possível, acredita Costa, é porque Portugal conseguiu “provar que é possível viver com as mesmas regras em Portugal que na Holanda e França e seguir uma política diferente”. “Dois anos depois podemos dizer com orgulho: fizemos diferente, virámos a página da austeridade e temos finanças mais sólidas”.

Num longo discurso virado para a Europa e para os desafios que se apresentam, desde o crescimento do populismo e radicalismo, à possibilidade de uma nova crise ou à instabilidade nas fronteiras externas da União Europeia, o primeiro-ministro defendeu que a solução não pode ser menos Europa. “Não podemos ter vergonha de dizer que a Europa dá resposta e tem dado bons resultados”, afirmou.

“Defendemo-nos melhor do terrorismo com mais Europa, há muita instabilidade nas fronteiras externas, mas protegemo-nos melhor dessas ameaças com a cooperação estruturada na defesa que permita sentirmo-nos mais seguros com a nossa vizinhança”, defendeu. Palavras de Costa numa altura em que a União Europeia discute a Cooperação Estruturada de Defesa e em Portugal o PS tem apenas o apoio do PSD para a integração desta estratégia, mas tanto à esquerda como à direita querem ter a certeza que não se trata da criação de um exército europeu. O Governo garante que não implica a criação de um exército, mas sim uma maior cooperação nesta matéria.

Além das matérias de defesa e de ambiente, por exemplo, quando disse que a UE tinha de ir contra as “ameaças de Trump ao acordo de Paris” e “fazê-lo cumprir à escala mundial”, o primeiro-ministro trouxe para o debate a taxação de grandes empresas tecnológicas, uma vez que tem sido difícil aos estados per si de as taxar. Por mais do que uma vez neste Congresso do Partido Socialista Europeu foi defendido que a União Europeia tem de encontrar forma de taxas as grandes empresas tecnológicas para que acabe a “competição fiscal” que cria diferenças entre os vários países. Costa quer acabar com o “dumping fiscal” e encontrar forma de taxar as “novas formas de criação de riqueza”. Essa taxação tem, no entanto, de ser europeia: “Essa dificuldade será menor para a escala da União Europeia. Temos de ganhar essa batalha”, disse.

Para o primeiro-ministro estas são várias formas de mudar a Europa para que esta esteja melhor preparada em responder ao “medo” que existe nos cidadãos e que “alimenta os populismos”. Costa acredita que a mensagem dos socialistas de que há uma alternativa e que essa alternativa tem resultados permite agir sobre esse “medo”. “Não podemos voltar a ter uma crise como esta. Mais do que responder à próxima crise, temos a obrigação de aproveitar esta janela de oportunidade para evitar uma nova crise”.

Em termos políticos, Costa desta vez não falou da sua aliança à esquerda e aliás, decidiu apoiar a decisão do SPD, partido socialista da Alemanha, em juntar-se a Merkel para viabilizar o governo da chanceler. “Um governo com o SPD será sempre um governo melhor para os socialistas e para a Europa do que um governo sem o SPD”, disse. No que toca à política externa, desejou ainda uma “grande vitória” ao Partido Socialista da Catalunha nas eleições de dia 21 de Dezembro.

 

 

 

 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações