Filme A Fábrica de Nada premiado no Festival de Cinema de Turim

Portugal tinha cinco filmes seleccionados para o Festival de Cinema de Turim, que teve início a 24 de Novembro.

O realizador Pedro Pinho
Foto
O realizador Pedro Pinho Mario Lopes Pereira

O filme A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho, recebeu neste sábado, no Festival de Cinema de Turim, em Itália, o prémio especial do júri, designado Prémio Fundação Sandretto Re Rebaudengo, o segundo mais importante do palmarés.

O júri do festival, presidido pelo realizador chileno Pablo Larrain, atribuiu o prémio de Melhor Filme a Don't Forget Me, uma coprodução de Israel, França e Alemanha, dirigida por Ram Nehari, conforme a decisão anunciada na noite deste sábado, na gala de encerramento.

O filme de Pedro Pinho foi igualmente distinguido com uma Menção Honrosa na competicão paralela ao festival, julgada por alunos de escolas superiores de cinema (Prémios Colaterais), por ter demonstrado que a chamada sétima arte "pode ser um instrumento activo na mudança" social.

A Fábrica de Nada estreou-se em Maio, no Festival de Cannes, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em Junho, em Munique, para Melhor Novo Filme.

Foi igualmente distinguido nos festivais Duhok, no Iraque, e Miskolc, na Hungria, e seleccionado para os festivais de Londres, Toronto e Jerusalém.

O vencedor do principal prémio de Turim, Don't Forget Me, também recebeu os prémios de Melhor Actor (Nitai Gvirtz) e de Melhor Actriz (Moon Shavit), ex-aequo com a protagonista do filme inglês Daphne, de Peter Burns (Emily Beecham).

O Prémio do Público foi para o filme francês A Voix Haute, de Stéphane De Freitas, cineasta descendente de emigrantes portugueses, fundador da rede social Eloquentia.

A morte de Stalin, de Armando Iannucci, filme já estreado em Portugal, recebeu o prémio da Federação Internacional dos Críticos de Cinema (Fipresci). Foi também o vencedor dos "prémios colaterais", atribuídos por alunos de escolas de cinema.

Na área do documentário, M—1, de Luciano Pérez Savoy (Bósnia/México), recebeu o prémio de melhor produção internacional, tendo sido atribuído o prémio especial do júri, neste segmento, ao francês Sans adieu, de Christophe Agou.

Os prémios de curta-metragem foram para as produções italianas Ida, de Giorgia Ruggiano, e Blue Screen, de Alessandro Arfuso e Riccardo Bolo.

Portugal tinha cinco filmes seleccionados para o Festival de Cinema de Turim, que teve início a 24 de Novembro. Em competição estavam A Fábrica de Nada, de Pedro Pinho, e Spell Reel, de Filipa César.

Na secção "Viagem" foram incluídos dois filmes do realizador francês F.J. Ossang, coproduzidos por Portugal — a curta-metragem Silêncio (2007) e a longa-metragem Nove dedos (2017) —, assim como Margem Sul, média metragem de José Álvaro de Morais (1993-2004), feita em 1994.

Colo, de Teresa Villaverde, e Verão danado, primeira obra de Pedro Cabeleira, foram exibidos na secção "Onde", sobre filmes em diálogo com a arte contemporânea.