A homenagem ao homem “concreto e discreto”, “coerente e consequente”

O funeral de Belmiro de Azevedo decorreu esta tarde no Porto e contou com a presença de empresários, governantes, autarcas, amigos, colaboradores e populares.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Pinto da Costa Paulo Pimenta
Fotogaleria
Marcelo Rebelo de Sousa Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Artur Santos Silva Paulo Pimenta
Fotogaleria
Nuno Azevedo Paulo Pimenta
Fotogaleria
Ramalho Eanes Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Rangel Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Pedro Passos Coelho e Marco António Costa Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Valentim Loureiro Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Pinto da Costa Paulo Pimenta
Fotogaleria
Manuel Caldeira Cabral Paulo Pimenta

A igreja do Cristo Rei, no Porto, foi pequena para receber as centenas de pessoas que se quiseram associar à homenagem a Belmiro de Azevedo, o empresário que liderou a Sonae e que morreu com 79 anos na passada quarta-feira. Frei Bartolomeu Domingues, que liderou as cerimónias, referiu-se ao homem “concreto e discreto” e à personalidade “coerente e consequente” que estava a assinalar a passagem “para a vida definitiva”.

Discreta foi também a cerimónia, com a família a agradecer a todos os presentes mas a quem pediu para aceitarem o recolhimento que quiseram ter nas despedidas finais: a urna não saiu sequer pela porta principal onde muitos jornalistas e populares a aguardavam. Concreta foi a posição do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que por várias vezes se referiu à viagem que fez de Lisboa para se associar às homenagens - não participou na missa, que se realizou às 16h00 por compromissos de agenda -, primeiro a título pessoal, mas sobretudo como Presidente da República “em representação de todos os portugueses”.

“Foi um homem singular, muito marcante na vida portuguesa, praticamente durante toda a democracia. Foram mais de 40 anos em que afirmou as suas qualidades invulgares de liderança, de determinação e de visão de futuro”, afirmou o Presidente da República, acrescentando que Belmiro de Azevedo foi para além da economia e interveio em áreas relevantes como “a educação, a cultura, a solidariedade social, a comunicação social, a formação das pessoas”. Por isso, foi dizendo que não comentava mais nada senão a homenagem que lhe merecia Belmiro, admitindo que pode haver muitas opiniões, mesmo aquelas que são transmitidas em sede parlamentar. “Sinto que estou a representar todos os portugueses, quando digo que não há muitas figuras na democracia e na vida empresarial como Belmiro de Azevedo”, afirmou aos jornalistas quando estes o confrontaram com os votos contra  do PCP na moção de pesar votada na Assembleia da República a assinalar a morte do empresário.

Marcelo saiu cerca das 14h30, alguns minutos antes de entrar na igreja um dos seus antecessores na Presidência da República, o general Ramalho Eanes. Acompanhado pela mulher, Manuela Eanes, o ex-chefe de Estado seguiu toda a cerimónia, não sem antes deixar um testemunho acerca do contributo dado por Belmiro de Azevedo “para a modernização enquanto grande empreendedor, homem capaz de criar riqueza e trabalho, homem capaz de aproveitar oportunidades e descobri-las e, depois, explorá-las com ambição, ousadia, risco e, sobretudo, competência”.

Para Ramalho Eanes, a sua independência “mostrava que tudo isto se fazia e mostrava ainda que tudo isto é possível, mesmo em Portugal”. “Algumas vezes foi prejudicado pelo poder, por ter em relação ao poder esta posição distante, crítica, que todos conhecemos”, sublinhou. O eurodeputado Paulo Rangel referiu-se a Belmiro como um “verdadeiro criador de talentos e gerador de energia e inteligência”.

Foram muitas as figuras e personalidades que se associaram às cerimónias, mesmo sem deixarem registo de declarações públicas: o presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa; os presidentes da Corticeira Amorim e da Mota Engil (respectivamente António Rios Amorim e António Mota); o ex-banqueiro Artur Santos Silva; o ex-primeiro ministro Pedro Passos Coelho e o antigo ministro Miguel Cadilhe. A representar o actual Governo estiveram os ministros da Economia, Manuel Caldeira Cabral e do Ambiente, João Matos Fernandes, e ainda a secretária de Estado da Indústria, Ana Lehman.

O pároco que presidiu às cerimónias referiu-se “à estupidez absoluta” que é falar-se de sorte ou da falta dela quando se analisa a história que escreve cada pessoa, defendendo que o que existe é “o mérito, a competência e a honra”. E nisso, Belmiro de Azevedo “encontrou a plenitude”. Ao elogiar os textos do Evangelho escolhidos pela família (o capítulo sexto, do Evangelho de São Mateus, onde se ensina a oração do Pai Nosso), o pároco exortou todos os presentes a perdoar e a seguirem o exemplo de Belmiro, a deixar contributos para um mundo melhor. 

Paulo Azevedo, que acompanhou cunhada, filhos e sobrinhos nas leituras alternadas durante a Oração Universal, endereçou as suas preces à tia, que faleceu e foi a enterrar no mesmo dia do irmão, e à possibilidade de se construir um mundo “mais próspero, mais justo, mais ético e mais sustentável”. O texto mais emocionado, que encerrou a cerimónia pública, coube à neta Joana, que terminou as suas palavras a deixar promessas: “Não te preocupes, avô, saberemos tomar conta da avó e dos nossos pais”.