Mourinho deixa Ferguson para trás, Barcelona ganhou o derby de Madrid

O Manchester United somou o 38.º jogo consecutivo sem perder em Old Trafford, um recorde no clube. Empate no 161.º derby madrileno entre Atlético e Real

José Mourinho
Foto
José Mourinho Reuters/CARL RECINE

Na antevisão da recepção ao Newcastle, um sisudo José Mourinho garantiu que não iria significar “absolutamente nada”, mas à segunda tentativa nesta época o treinador português fez mesmo cair um recorde de Alex Ferguson, em Old Trafford. Depois de falhar o melhor arranque de sempre da história do Manchester United — a derrota na 9.ª jornada da Premier League em Huddersfield impediu a proeza —, Mourinho somou ontem o 38.º jogo consecutivo no comando dos “red devils” sem perder em casa, ultrapassando o anterior máximo que pertencia ao técnico escocês, desde 2011. No 161.º derby de Madrid, houve pela primeira vez, em 24 anos, um empate a zero num Atlético-Real e o Barcelona agradeceu: ao fim de 12 jornadas, os catalães já têm dez pontos de vantagem sobre os rivais madrilenos.

Um ano, dois meses e nove dias depois, ainda não foi desta que Old Trafford deixou de ser a fortaleza de José Mourinho. O registo perfeito do Manchester United nesta temporada em casa teve ontem o seu nono capítulo e entrará na história dos “red devils”. Numa partida que assinalou o regresso, quase sete meses depois, de Zlatan Ibrahimovic aos relvados, um golo de Dwight Gayle ainda ameaçou o recorde de Mourinho, mas o Newcastle acabou por sair de Old Trafford goleado.

Poucos minutos depois de o City voltar a mostrar a sua fiabilidade nesta época na Premier League — triunfo em Leicester, por 2-0, e 34 pontos conquistados em 36 possíveis —, o United entrou praticamente a perder (golo de Gayle, aos 14’), mas a equipa de Mourinho conseguiu a reviravolta ainda antes do intervalo: Anthony Martial empatou a partida e Smalling fez o 2-1, ambos através de cabeceamentos. Pogba — outro regresso após dois meses afastado por lesão — fez o terceiro e Lukaku, aos 70’, fixou o 4-1 final, garantindo o recorde a Mourinho. Com o jogo ganho, o treinador português aproveitou para colocar em campo um dos seus mais fiéis aliados: após sofrer, em Abril, uma grave lesão no joelho e de ter sido dado como acabado para o futebol, Ibrahimovic voltou a vestir a camisola 10 do United.

Nas outras partidas da 12.ª jornada da Premier League, Arsène Wenger derrotou Mauricio Pochettino e o Arsenal ganhou o derby do norte de Londres. Mustafi e Sánchez, ainda na primeira parte, fizeram os golos no Emirates Stadium. O Chelsea passou sem problemas em West Bromwich (4-0), enquanto o Liverpool bateu, em Anfield, o Southampton de Cédric (3-0).

Em Madrid, houve intensidade a mais e golos a menos. Pressionados pelo Barcelona, que bem perto da capital espanhola ultrapassou sem grandes dificuldades o Leganés (3-0, com um golo de Paulinho e um bis de Suárez), Atlético e Real defrontaram-se pela 161.ª vez mas, desta vez, Cristiano Ronaldo, o máximo goleador na história dos derbies madrilenos, não conseguiu desbloquear o duelo entre Simeone e Zidane. O jogo entre “colchoneros” e “merengues” foi quase sempre disputado longe das balizas de Oblak e Casilla, e apenas na parte final houve alguma emoção. No entanto, o zero manteve-se até final e quem acabou por sair a ganhar foi o Barcelona: os catalães têm agora dez pontos de vantagem sobre os rivais de Madrid.

Após alguns solavancos iniciais, a mudança de maquinista recolocou a locomotiva do Bayern em modo imparável. No comando dos bávaros desde a 8.ª jornada, Jupp Heynckes somou a quinta vitória consecutiva na Bundesliga e aproveitando os deslizes da concorrência (empate do RB Leipzig e derrota do Borussia Dortmund), já têm seis pontos de vantagem sobre o vice-líder.

Em França, só dá Paris Saint-Germain. Após o Mónaco de Leonardo Jardim não conseguir melhor do que um empate na véspera em Amiens (1-1), os parisienses voltaram a golear e Cavani voltou a relegar Neymar para segundo plano: o uruguaio abriu e fechou a contagem, Dí Maria e Pastore fizeram os restantes golos no triunfo frente ao Nantes (4-1).