Fado e jazz latino, um encontro de géneros num disco singular

De Carlos do Carmo à jovem Joana Almeida, dez vozes dão forma a JazzInFado, que nasceu da paixão do cubano Óscar Gomez pelo fado. O disco já chegou às lojas.

Fotogaleria
Carlos do Carmo durante as gravações FILIPE FERREIRA
Fotogaleria
Carlos do Carmo com Óscar Gomez FILIPE FERREIRA
Fotogaleria
Helder Moutinho durante as gravações (imagem tirada do vídeo promocional do disco) DR
Fotogaleria
Carminho com Óscar Gomez FILIPE FERREIRA
Fotogaleria
António Zambujo durante as gravações FILIPE FERREIRA
Fotogaleria
Ana Bacalhau durante as gravações FILIPE FERREIRA
Fotogaleria
Óscar Gomez no estúdio, na mesa de mistura FILIPE FERREIRA

Dez fados, dez vozes, um lote considerável de músicos e cantores: é assim JazzInFado, disco que nasceu da paixão de Óscar Gomez, um músico e produtor cubano a viver em Espanha e vencedor de cinco Grammys. Nos pequenos vídeos promocionais que a editora divulgou, Óscar Gomez diz que, ao conhecer melhor o fado, sentiu que ele tinha um “elemento em comum com o jazz: um público que o respeita, um público devoto, um público apaixonado”, um público que, em lugar de deslumbrar-se, “sente.” “E um dia pensei: porque não unir de alguma forma o jazz e o fado?” Tal pensamento foi transmitido à editora Universal, que o pôs em andamento como projecto. E daí nasceu JazzInFado.

“Casar” duas identidades

Gravado em Espanha e em Portugal, com um lote considerável de músicos (vários deles cubanos), o disco reuniu dez vozes de diferentes gerações, fadistas e não só. A começar por Carlos do Carmo, com Lisboa, menina e moça, que abre o disco, e a acabar (é ela que fecha o disco) na jovem fadista Joana Almeida, com Tudo isto é fado. Pelo meio, e na sequência com que surgem na gravação, ouvem-se Helder Moutinho (Estranha forma de vida), Carminho (Escrevi teu nome no vento), António Zambujo (Veio a saudade), Raquel Tavares (Limão), Marco Rodrigues (Solidão), Ana Bacalhau (Fado português de nós), Cuca Roseta (Coimbra) e Maria Berasarte (A nadie se lo confieso, versão espanhola de Nem às paredes confesso). “O que fizemos”, diz Óscar Gomez no vídeo, “foi aproximar o fado ao jazz e enriquecê-lo harmonicamente. O fado tem letras muito poéticas e, em muitos casos, maravilhosas, tem melodias do povo, muito populares, e o que fizemos foi entrar em ritmos caribenhos, flamencos, brasileiros, bossa nova, no tango, entrar nos ritmos trabalhados pelo jazz latino e enriquecer um pouco a parte das harmonias. Respeitando sempre, obviamente, as melodias e as letras, claro, mas enriquecendo as harmonias."

Helder Moutinho, um dos fadistas que participou, cantando um tema de Amália, diz ao PÚBLICO: “A Universal começou a convidar vários fadistas e chegaram até mim. A ideia era gravar cá, mas eu não quis, fiz questão de ir a Madrid ter com ele, para gravar lá em estúdio. Conversámos, apercebi-me da obra dele e dos músicos envolvidos, são geniais. Mas isto para nós, fadistas, não é fácil. Primeiro estranhamos, mas depois começamos a perceber uma série de coisas e acabamos por gostar. Desde que a gente não saia do nosso universo. Não vejo isto como uma fusão, mas como um encontro entre géneros musicais: o jazz latino, que tem a sua identidade; e o fado, que é a nossa linguagem. E aquilo casou.”

Desde Amália e Rão Kyao

Têm sido raros os encontros entre jazz e fado. Dos que ficaram na história, e na memória, destacam-se o encontro entre Amália e o saxofonista norte-americano Don Byas, gravado em 1968 e editado em 1973; e Fado Bailado, do saxofonista e flautista Rão Kyao, de 1983.

O primeiro foi gravado por impulso de Luís Villas-Boas que, aproveitando a passagem de Byas por Portugal, onde actuou na Queima das Fitas de 1968, o levou até aos estúdios da Valentim de Carvalho para gravar com Amália de improviso, sem ensaios prévios, uma dúzia de fados. O segundo, totalmente instrumental, gravado com António Chaínho (guitarra) e José Maria Nóbrega (viola) foi o primeiro disco português a chegar a marca de disco de platina.

JazzInFado vem agora juntar-se a esta lista, sujeitando-se ao juízo que dele fizer o público.