Economia portuguesa enfrenta o seu limite de crescimento

Economia cresceu 0,5% no terceiro trimestre do ano, mais do que os 0,3% dos três meses anteriores. Ainda assim, a este ritmo, caminha para taxas de crescimento anuais bem mais baixas do que os 3% registados na primeira metade deste ano.

Resultado do terceiro trimestre está em linha com as previsões do Governo
Foto
Resultado do terceiro trimestre está em linha com as previsões do Governo LUSA/JOÃO RELVAS

Aquilo que era visto como inevitável aconteceu: depois de três trimestres de aceleração muito forte até a uma taxa de variação homóloga do Produto Interno Bruto (PIB) de 3%, a economia portuguesa iniciou no terceiro trimestre do ano um regresso a resultados mais próximos daquele que é neste momento o seu potencial. A tendência, tudo indica, deverá manter-se nos últimos três meses deste ano, não colocando contudo em causa a projecção de crescimento feita pelo Governo para o total de 2017.

De acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), durante o terceiro trimestre do ano, a economia portuguesa cresceu 0,5% face ao trimestre imediatamente anterior, um resultado que, sendo melhor do que os 0,3% do segundo trimestre, fez ainda assim cair a variação homóloga do PIB de 3% para 2,5%.

Este abrandamento na variação homóloga do PIB era já largamente antecipado. Tinha sido no terceiro trimestre do ano passado que a economia tinha surpreendido tudo e todos com um arranque muito forte: um crescimento em cadeia de 0,9%. E, por isso, para evitar que a variação homóloga caísse era preciso que a economia portuguesa voltasse a registar um desempenho semelhante.

PÚBLICO -
Aumentar

O que parece neste momento confirmar-se é que taxas de crescimento trimestrais próximas de 1% (como as registadas entre o terceiro trimestre de 2016 e o primeiro trimestre de 2017) e taxas de crescimento homólogas na casa dos 3% (como a atingida no segundo trimestre de 2017) não podem ser mantidas durante muito tempo.

É também possível que, mantendo a actual tendência, Portugal possa vir a caminhar, nos próximos trimestres, para taxas de crescimento mais próximas de 2%. De acordo com cálculos feitos pelo PÚBLICO, se a economia portuguesa repetisse o crescimento em cadeia de 0,5% durante o quarto trimestre deste ano, a taxa de variação homóloga do PIB nesse período desceria para 2,4%. E se o mesmo ritmo se mantivesse no arranque de 2018, ocorreria uma desaceleração para 1,9%.

Não se pense contudo que as projecções do Governo e de outras entidades para Portugal estão agora sob ameaça. Mais uma vez simulando um cenário em que, no quarto trimestre, a economia repetiria o crescimento em cadeia de 0,5%, aquilo que aconteceria era uma variação anual do PIB em 2017 de 2,6%, aquele que é precisamente o resultado previsto pelo Governo em Outubro quando apresentou a proposta de Orçamento do Estado para 2018. Na semana passada, a Comissão Europeia também reviu em alta a sua estimativa de crescimento para 2,6%, ao passo que o Banco de Portugal está ligeiramente mais pessimista, apostando num resultado final de 2,5%.

Para 2018, a previsão de crescimento do Governo de 2,2% já tem implícita a necessidade de uma aceleração ligeira da economia portuguesa face ao ritmo registado no terceiro trimestre, já que se se prolongasse a variação de 0,5% por trimestre até ao final do próximo ano, a taxa de crescimento anual em 2018 não ultrapassaria os 2%.

Para que essa aceleração ocorra Portugal parece poder contar com o contributo dos seus parceiros europeus. Os dados publicados esta quarta-feira pelo Eurostat mostram a zona euro a crescer, no terceiro trimestre deste ano, 0,6% em cadeia, atingindo uma variação homóloga de 2,5%. Portugal pode ter interrompido o período de 12 meses em que apresentou resultados superiores à média europeia, mas pode ter a expectativa de um aumento da procura proveniente do exterior, que ajude as exportações nacionais.

Os dados publicados esta terça-feira constituem a primeira estimativa do INE para a evolução da economia portuguesa durante o terceiro trimestre do ano, não sendo ainda divulgada informação concreta em relação às diferentes componentes do PIB. Ainda assim, a autoridade estatística nacional assinala que, para a variação homóloga de 2,5%, foi fundamental o acréscimo do contributo positivo da procura interna, ao passo que o contributo da procura externa líquida passou a ser negativo, “reflectindo a desaceleração em volume das exportações de bens e serviços e a aceleração das importações”.

Já quando se verifica quais os contributos para a variação em cadeia do PIB de 0,5%, observa-se a tendência inversa. De acordo com o INE, “o contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB passou de negativo a positivo” e “o contributo da procura interna diminuiu ligeiramente no 3º trimestre, devido à redução do Investimento, tendo o consumo privado aumentado”.