S&P baixa rating da Venezuela e coloca-a em "incumprimento selectivo"

Agência de rating baixou classificação de CC/C para SD/D, a curto e longo prazo, e está pessimista em relação a uma perspectiva de recuperação.

LUSA/MAXIM SHIPENKOV
Foto
LUSA/MAXIM SHIPENKOV

A Standard & Poor’s (S&P) colocou nesta terça-feira a Venezuela em incumprimento selectivo, ou em “default”, baixando assim a classificação deste país, a longo e a curto prazo, em moeda estrangeira, passando de CC/C para SD/D, sendo também a primeira agência de rating a fazê-lo.

A decisão da S&P surgiu depois de a Venezuela ter falhado no pagamento dos 200 milhões de dólares (cerca de 172 milhões de euros) de títulos globais. Em relação à dívida interna, a S&P manteve a classificação actual ressalvando, no entanto, que a agência está pessimista no que toca às perspectivas futuras.

A S&P calcula que existem 50% de hipóteses de, nos próximos três meses, a Venezuela deixe de pagar as suas obrigações no que respeita à dívida externa.

A atravessar uma profunda crise económica e social, o incumprimento era apenas uma questão de tempo para a Venezuela. No entanto, esta avaliação vem aprofundar ainda mais os problemas financeiros do país liderado por Nicólas Maduro.

Antes da avaliação da S&P, o Governo de Caracas convocou para uma reunião os detentores de dívida do Estado, da petrolífera PDVSA e centenas de credores para chegar a acordo sobre o processo de reestruturação e financiamento da dívida. No entanto, os participantes do encontro não chegaram a qualquer conclusão.