Crítica

À espera de J.D. Salinger

Biopic esforçado e modesto do autor de um dos livros mais célebres do século XX, À Espera no Centeio.

Fotogaleria
Matéria histórica e cultural, algo que nos últimos anos desapareceu do mainstream hollywoodiano
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Debaixo do mais genérico título português em muito tempo (A Vida de um Génio... por amor de Deus) esconde-se um biopic esforçado e modesto do escritor americano J.D. Salinger, autor de um dos livros mais célebres do século XX, À Espera no Centeio (a que o título original alude duma forma que não seria difícil restituir em português). Biopic de juventude, forçosamente, e concluindo-se no momento em que Salinger se torna “reclusivo” depois de decidir não voltar a publicar mais nada, A Vida de um Génio, como muitos biopics, vive na obsessão de cruzar vida e obra, e unir os pontinhos que levam de uma coisa à outra — e portanto o filme está sempre, sem especial subtileza didáctica, a relacionar os escritos de Salinger com contextos e episódios da sua biografia: a família abastada e cinzenta, a paixão falhada por Oona O’Neill (filha de Eugene e depois, para desgosto de J.D., a última sra.Chaplin), e sobretudo a experiência do escritor na II Guerra, entre o dia D e a descoberta dos campos de extermínio.

Sem nenhuma sofisticação ou verdadeiro interesse na abordagem da literatura — digamos que não é um filme sobre o “texto” de Salinger — é um filme corrido e movimentado, abundante em peripécias, interpretado com algum carisma (podemos acreditar ou não que Nicholas Hoult “é” Salinger, mas a obstinação dele é interessante), que se vê sem enfado de maior. Para mais, tratando com um mínimo de seriedade matéria histórica e cultural, algo que nos últimos anos praticamente desapareceu do mainstream hollywoodiano.