EUA aprovam primeiro comprimido digital

Produto garante toma da medicação e é composto por comprimidos com pequenos sensores, um adesivo digital e uma aplicação móvel. As informações recolhidas podem depois ser partilhadas com profissionais de saúde.

Os sensores milimétricos são integrados no comprimido
Foto
Os sensores milimétricos são integrados no comprimido Srdjan Zivulovic/REUTERS

O primeiro comprimido digital nos Estados Unidos foi aprovado nesta segunda-feira pelo organismo regulador que vigia os medicamentos naquele país (a FDA, na sigla inglesa). O produto permite averiguar se os pacientes tomam a medicação (e a que horas). O comprimido chama-se Abilify MyCite e combina o medicamento antipsicótico aripiprazol com um pequeno sensor passível de ser ingerido. É usado, por exemplo, no tratamento de esquizofrenia ou de doença bipolar.

“Ser possível rastrear a toma da medicação receitada para doenças mentais pode ser útil para alguns doentes”, explica o responsável do departamento de produtos psiquiátricos da FDA, Mitchell Mathis, citado no comunicado oficial. O desenvolvimento e uso destes novos mecanismos na medicação, diz, serve para “perceber como é que a tecnologia pode beneficiar os doentes” — neste caso, ao garantir que é cumprida a medicação.

E como funciona? O sensor, tão pequeno quanto um grão de areia, é activado quando entra em contacto com os fluidos do estômago e comunica essa informação para um um adesivo digital colocado na zona das costelas, que detecta e regista a altura em que o comprimido foi tomado. A informação recolhida pelo adesivo é depois enviada por Bluetooth para uma aplicação de telemóvel, que permite ao paciente ver o registo de tomada dos medicamentos e partilhar essa informação com o médico — o utilizador pode ainda permitir que outras quatro pessoas (da família ou prestadores de cuidados) tenham acesso a essa informação.

A detecção da toma pode demorar entre 30 minutos a duas horas (e, em alguns casos, até pode não chegar a ocorrer), razão pela qual a FDA alerta que o mecanismo não deve ser utilizado para controlar a toma em tempo real ou durante uma emergência.

O comprimido surge depois de anos de investigaçãoda farmacêutica japonesa Otsuka, que já vendia o medicamento Abilify desde 2002, e pela empresa norte-americana Proteus Digital Health, responsável pela criação do sensor e do adesivo. Estes microchips digeríveis já tinham sido anunciados em 2012, altura em que foram comparados a um “Big Brother” que controlava a medicação. 

Ainda não está provado (e há até alguma reticência por parte da comunidade médica) que esta nova tecnologia ajude a garantir que a medicação é cumprida — tal será analisado depois de o comprimido com sensor ser lançado no mercado no próximo ano. Ainda assim, nem todos podem tomar esta medicação: o comprimido não é recomendado para pacientes idosos com demência e é aconselhado que os profissionais de saúde façam um diagnóstico ao doente para averiguar se é capaz de gerir o sistema.