Opinião

O PSD está amnésico e sonâmbulo

PSD prepara-se para escolher um candidato da geração do 25 de Abril. Rui Rio também pertence à mesma geração.

Quando abandonou a liderança do PSD em 2005, Pedro Santana Lopes avisou que “ia andar por aí”. E assim foi. Andou, andou, e agora, perante a crise existencial do maior partido da direita portuguesa, candidata-se novamente a líder. Da leitura dos jornais, e também nas redes sociais percebe-se que há um conjunto de notáveis que apoiam este candidato: a saber, Rui Machete, Fernando Negrão e Teresa Morais que integram a Comissão de Honra; Duarte Marques, e Sérgio Azevedo, ambos deputados, além dos Presidentes das distritais do partido em Lisboa e no Porto. Segundo o jornal “Sol”, Santana Lopes conta ainda com apoios ou “palavras de incentivo” de Rui Moreira e Miguel Relvas, além de António Mexia. Nem Rio nem Santana apresentaram ainda as suas Comissões Políticas de candidatura, mas estas adivinham-se para breve. Esta é pois uma candidatura que está a ser levada a sério. Isso é preocupante porque mostra um PSD tanto amnésico como sonâmbulo.

Amnésico, seja por razões eleitorais seja por razões de performance governativa. Santana Lopes presidiu à maior derrota do PSD de sempre. Só os indefectíveis não abandonaram o PSD em 2005 tendo este partido ganho uns meros 28,8% dos votos. Foi também nessa eleição que o PS conseguiu a sua única maioria absoluta desde o 25 de Abril. Essa derrota é em larga medida atribuível a Santana Lopes, que transformou a eleição num plebiscito à sua governação no seguimento da dissolução do Parlamento pelo Presidente Jorge Sampaio. Além disso, do ponto de vista eleitoral, Pedro Santana Lopes foi o líder que menos votos trouxe ao PSD. Menos ainda que Ferreira Leite, a líder menos popular do PSD no mesmo período. Através de inquéritos pós-eleitorais, comparámos recentemente a importância dos lideres para explicar o voto entre 2002 e 2015 em Portugal e verificámos que este foi o líder do PSD que menos votantes conseguiu mobilizar [Lobo, M.C. e Silva, F.F., Prime Ministers in the Age of Austerity: na increase in the personalisation of voting behviour”, West European Politics, 2017].

Mas a que se deveu afinal esta aversão a Santana Lopes? O seu governo, que admita-se nasceu em condições difíceis, foi uma sucessão de trapalhadas devido ao comportamento errático do Primeiro Ministro. Santana Lopes escreveu um livro de memórias sobre o seu percurso político em 2006, intitulado “Percepções e Realidade”, que tive ocasião de recensear nas páginas do Diário de Notícias nesse ano. Basta lê-lo para compreender que a questão da ideologia ou do rumo político é questão que nunca o preocupou. Tudo se resume a manobras políticas. A tentativa agora de apresentar Santana Lopes como sendo aquele que vai imprimir uma forte bipolarização com o PS de António Costa é mais desejo do que baseada em qualquer evidência do passado. Por exemplo, houve muito poucas diferenças nos programas partidários entre PS e PSD nas eleições de 2005.

Importa ainda salientar que este passado falhado de Santana Lopes (que inclui também uma derrota autárquica em Lisboa em 2009) é mais importante no PSD do que no PS, o único outro partido onde os lideres concorrem como candidatos a Primeiro-Ministro. Tradicionalmente, à direita o CDS-PP e o PSD distinguem-se pouco do ponto de vista ideológico. O facto dos dois partidos terem governado juntos nas últimas vezes que o PSD foi governo reforça esta ideia. Logo, tendo em conta que as diferenças ideológicas não contam muito, são os lideres que fazem a diferença para as pessoas que se situam à direita, ao votarem num ou noutro partido. Na próxima eleição legislativa, quando estiverem a escolher um candidato a Primeiro Ministro, os votantes vão ser bombardeados com recordações que agora muitos notáveis do PSD pelos vistos não parecem lembrar.

Além de amnésico, o PSD também está por isso sonâmbulo perante o novo contexto político em Portugal e na Europa. Enquanto um pouco por todo o lado, a crise e os novos desafios Europeus têm dado origem à chegada ao poder de uma nova geração de políticos, o PSD prepara-se para escolher um candidato da geração do 25 de Abril. De resto, Rui Rio também pertence à mesma geração. É um sinal de incapacidade de regeneração política preocupante no maior partido da oposição. Sendo um dos maiores partidos da política em Portugal era importante que fosse capaz de encontrar alguém com um perfil para definir o futuro do país. É também simbólico do poder das televisões – se Santana Lopes não tivesse um posto permanente como comentador teria sequer hipótese de se posicionar no terreno político? Fica a dúvida.