Entrevista

Miguel Poveda: “Canto aos sentimentos mais primitivos e puros do ser humano”

Um dos expoentes do flamenco, Miguel Poveda está de volta para cantar a liberdade dos poetas. Este sábado no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian, às 21h.

Foto
Miguel Poveda DAMIÁN CALVO

Nove anos depois de se ter apresentado no primeiro Festival de Flamenco de Lisboa e três depois de um muito aplaudido concerto no CCB, o cantaor Miguel Poveda está de volta para novo espectáculo, desta vez no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian (21h) e no âmbito de outro festival, o Misty Fest. Nascido Miguel Ángel Poveda León, em Barcelona, a 13 de Fevereiro de 1973, e iniciado aos 15 anos nas peñas flamencas da Catalunha, Poveda é hoje uma figura cimeira do flamenco actual.

O seu mais recente disco, Sonetos y Poemas para la Libertad (2015), já era de algum modo prenunciado no espectáculo Íntimo, que apresentou em Lisboa e no Porto em 2014, e cujo nome volta a ser usado neste seu regresso, mas com alterações no repertório. Com Miguel Poveda (voz) estarão Joan Albert Amargós (piano), Jesus Guerrero (guitarra) e Paco González (percussão). Numa entrevista ao PÚBLICO por e-mail, o cantaor fala deste espectáculo e do estado do flamenco.

Em 2014, apresentou em Lisboa um espectáculo belíssimo, Íntimo. No que agora nos traz, mantendo esse nome, algo mudou? Ou mantém a mesma estrutura?
A estrutura é a mesma, mas o repertório mudou bastante. Cantarei poemas de Federico García Lorca que estou a gravar e, naqueles que musiquei, a parte de flamenco deixa sempre margem à improvisação. Além de que também antecipo alguns temas que estamos agora a gravar para um novo disco.

Algo no espectáculo Íntimo, sobretudo a atenção dada à poesia, era já de algum modo uma antevisão do disco Sonetos y Poemas para la Libertad, que lançou em 2015. Como foi imaginar e gravar este disco, onde se podem ouvir, na sua voz, poemas de Miguel Hernandez, Lope de Vega, Alberti, Quevedo, Neruda, Borges?
Foi um dos presentes mais belos que a vida me deu e com o qual estive mais de quatro anos, desfrutando dele nas apresentações ao vivo e na gravação do disco. Foi uma aprendizagem e sobretudo uma forma de expressar a vida através da beleza dos textos dos poetas e da música de Pedro Guerra.

Íntimo foi apresentado em muitas salas, em Espanha e pelo mundo. Essa viagem pelo universo do flamenco, mas também pela copla e pela poesia, mudou de alguma maneira o seu canto ou a forma de se apresentar em palco?
A experiência dos anos e de viajar e cantar de forma continuada ensina-me, sobretudo porque sou um homem inconformista e exijo sempre muito de mim próprio. Afinal, toda esta exigência com nós mesmos faz-nos pisar o palco com mais respeito.

Num texto publicado há três anos em Espanha, escreveram: “[Miguel Poveda] canta à dor e à alegria, ao sentimento e à emoção.” É assim que sente o seu canto?
Sim, canto a todas as emoções que ao longo dos anos fui experimentando, a tudo o que nos preocupa na sociedade e aos sentimentos mais primitivos e puros do ser humano.

Pode dizer-se que o flamenco vive dias bons, nestes tempos?
Se falarmos em artistas, podemos dizer que sim, há muitos cantaores e cantaoras muito bons. O mesmo se passa no baile e na guitarra. Só falta que o nosso país se enamore da nossa música mais universal da mesma forma que o fazem noutros países.