Investidores que passaram por Lisboa “valem” três vezes o PIB português

Al Gore mereceu uma ovação de pé num pavilhão a abarrotar, no último dia da Web Summit 2017. Marcelo disse que "o país merece" esta feira e quem por lá passou não perdeu tempo a discutir se valeu a pena.

Foto
Ricardo Lopes

Os 1500 investidores que passaram os últimos três dias à procura de negócios na Web Summit de Lisboa são responsáveis por uma carteira de investimentos que ascende a 500 mil milhões de euros, montante disperso em fundos de investimento de natureza diversa, empresas consolidadas ou em desenvolvimento e em outros activos. Dito de outra forma: se fossem um país, teriam uma economia quase três vezes mais rica do que Portugal, cujo Produto Interno Bruto (PIB) ronda os 180 mil milhões de euros

Este dado constitui o primeiro retrato geral do “valor potencial” dos investidores que estiveram, pela segunda vez, em Portugal, em prospecção. Uma carteira tão gorda é suficiente para concluir que Portugal “merece uma Web Summit” – como disse o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, na sessão de encerramento?

“A questão parece-me bastante tonta. Para mim é claro que esta é a única forma de trazer cá pessoas que, de outra forma, jamais viriam”, responde um desses investidores, Bay McLaughlin, em declarações ao PÚBLICO.

Tonta ou não, a dúvida entrou na agenda mediática a partir de um polémico texto de opinião, que se tornou um sucesso nas redes sociais. Dezenas de milhares de pessoas leram, partilharam e debateram o artigo em causa, que classifica como uma “parolice” a atenção dedicada pelos media. O autor, João Miguel Tavares (cronista do PÚBLICO), argumentava ainda que os cofres do Estado (que contribuíram com 1,3 milhões de euros repartidos por diferentes entidades públicas) e a energia dos decisores políticos poderiam ter melhor aplicação do que a Web Summit, que é uma iniciativa privada, lucrativa e “hierarquizada de forma feudal”, criticando igualmente o facto de haver bilhetes a 25 mil euros.

Questionada pelo PÚBLICO, a organização recusou-se a revelar quantos bilhetes foram vendidos a este preço, garantindo apenas que “é um número muito pequeno”, adquirido por figuras de topo e empresas que, dessa forma, garantiam o direito de participarem em todos os eventos, incluindo os que exigem convite próprio. Tal bilhete abria as portas aos debates “mais íntimos” sobre questões globais de tecnologia e o impacto desta na economia, na política, nas comunidades, como salienta Mike Harvey, director de comunicação da Web Summit.

Entre participantes e organizadores, a dúvida sobre se o país merece ou não, se deve ou não associar-se ao evento foi também menorizada, até mesmo pelas pequenas startups que pagaram 850 euros para estarem presentes. Até porque o retorno desse investimento pode ser quase imediato, como salienta Pedro Vilela, fundador de uma startup portuguesa, a Hand2Hand, que assegurou 200 mil euros de investimento nesta Web Summit. “É um impacto brutal. Conheci a Web Summit ainda na Irlanda, estive lá com uma startup inglesa para a qual trabalhava na altura [e que entretanto morreu “devido a problemas com a tecnologia que quis desenvolver”] e posso dizer que esta edição de Lisboa não tem nada a ver. Aqui há mais oportunidades, mais investidores, e notei, como outros empreendedores, que os investidores estavam mais focados do que em 2016. Sabiam o que queriam, ao que vinham e não perderam tempo a ver o que há por aí”, descreve Pedro Vilela, cuja empresa está a entrar na indústria do turismo.

Já o investidor Bay McLaughlin só descobriu as startups portuguesas por causa da Web Summit. “Não é que eu não quisesse vir a Lisboa antes, a questão é que gente como eu tem mais que fazer”, sustenta, exemplificando: “Eu não vou ao Cazaquistão a não ser que haja por lá uma grande conferência ou um evento relacionado com aquilo que faço. Se houver algo deste género aumenta a probabilidade de eu querer lá estar e de voltar. Neste caso, não só voltei [a Portugal, depois da presença na edição de 2016]  como também vou alargar a minha estadia ao Porto, porque há um ano estabeleci contactos com pessoas e projectos que me interessam e que agora pretendo conhecer no ambiente deles.”

Bay McLaughlin é norte-americano e investiu nos últimos três anos em 30 empresas, a partir de Hong Kong, de onde gere a sua empresa, a Brinc. Tipicamente faz investimentos pequenos, 25 mil a 100 mil dólares por projecto, porque tem interesses específicos (hardware e Internet das Coisas) e porque, sobretudo, costuma investir numa fase muito inicial dessas startups.

Esteve em duas edições da Web Summit na Irlanda e esta foi a segunda passagem por Portugal. Finda a presença em Lisboa, vai continuar por cá, para conferências e mais prospecção.

“Amanhã [sábado] apanho o comboio para o Porto, sei que a cidade está a posicionar-se como um novo hub tecnológico e estou certo que vou encontrar outras oportunidades”, explica. “Para mim, é como uma alternativa a Berlim ou Barcelona”, defende, sugerindo que a imagem de um país ou de uma região é outra forma de avaliar o retorno de uma iniciativa deste género. “Esta é sem dúvida a maior conferência das que tenho ido e eu tenho ido a muitas”, insiste. McLaughlin notou diferenças entre as duas edições portuguesas. Este ano, “a área reservada aos contactos entre investidores e startups esteve à pinha. Não havia lugares vagos para reuniões”, exclama.

O mesmo cenário é descrito por Pedro Vilela, da Hand2Hand, que se reuniu com investidores de diferentes geografias (desde o Brasil à Alemanha) e, além do financiamento, logrou fechar 20 parcerias com outras startups que passaram pelos quatro pavilhões ocupados pela Web Summit na Feira Internacional de Lisboa – além da Altice Arena, que serviu de palco principal aos conferencistas mais concorridos, como o antigo vice-presidente dos EUA, Al Gore, largamente aplaudido no último dia.

Ainda que haja um número concreto para quantificar o retorno desta iniciativa – 300 milhões de euros de receita directa nos serviços devido à presença de quase 80 mil pessoas (60 mil participantes e 20 mil entre empresas subcontratadas, parceiros do evento e voluntários) – a secretária de Estado, Ana Lehmann, afirma que esse número é apenas “a ponta do icebergue”. Isto porque, garante, viu empresas que lideram o respectivo sector de actividade a nível nacional ou mundial, como a EDP Inovação ou a Vestas, a Microsoft ou a Amazon, a ajudarem na criação de redes de apoio ao empreendedorismo e a fecharem negócios com empresas portuguesas, algumas das quais acabadas de nascer. “Estou a falar de vendas, não é só palavras. São vendas, imediatas, uma coisa tangível”, salienta, reconhecendo que há um lado intangível, que é difícil de medir.

“O que este evento faz pela imagem do país, por um Portugal tecnológico e moderno, é extraordinário. Ouvi governantes internacionais a dizerem ‘quem me dera ter este evento’. Ouvi investidores a expressarem uma grande confiança no ecossistema. Estive também com líderes de grandes empresas que podem ser eles mesmos investidores directos”, destacava Ana Lehmann, poucas horas antes do encerramento da edição 2017.

Para o ano haverá mais Web Summit em Lisboa, porque o contrato com a organização irlandesa previa três edições, mas o executivo liderado por António Costa quer “aproveitar o ano todo” para aprofundar os resultados.

Uma das medidas, sabe o PÚBLICO, já foi posta em marcha nesta edição: a constituição de uma base de dados com informações sobre todos os investidores e empresas que estiveram em contacto com entidades públicas portuguesas antes e durante o certame. Desse modo, segundo crê o Governo, será possível “reforçar” a ligação do empreendedorismo português aos parceiros internacionais mesmo fora dos três dias da Web Summit que, tal como em 2016, passaram a voar.