Kevin Spacey excluído de filme a mês e meio da estreia

O actor foi substituído por Christopher Plummer no novo filme de Ridley Scott, Todo o Dinheiro do Mundo, com estreia marcada para 22 de Dezembro.

Os abusos e assédios sexuais de Kevin Spacey também levaram ao cancelamento da série <i>House of Cards</i> e do filme <i>Gore</i> da Netflix
Foto
Os abusos e assédios sexuais de Kevin Spacey também levaram ao cancelamento da série House of Cards e do filme Gore da Netflix LUSA/JASON SZENES

A carreira de Kevin Spacey continua a ser abalada por mais acusações de assédio sexual. Agora, a um mês e meio da estreia de Todo o Dinheiro do Mundo, o actor foi excluído do filme realizado por Ridley Scott e substituído por Christopher Plummer.

O realizador e os produtores decidiram voltar a filmar todas as cenas protagonizadas pelo actor, noticia a Reuters. Mark Wahlberg e Michelle Williams também integram o elenco e deverão gravar as cenas em que contracenavam com Spacey.

O filme, realizado por Ridley Scott, contava com Spacey no papel de Jean Paul Getty, fundador da Getty Oil Company, posteriormente comprada pela Texaco. A história recorda o rapto do neto do magnata do petróleo, John Paul Getty III, em 1973. A estreia tem data marcada para 22 de Dezembro nos ecrãs norte-americanos.

A decisão de retirar Spacey do filme terá surgido imediatamente após a primeira denúncia contra o actor, premiado, quando o actor Anthony Rapp acusou a estrela de House of Cards de o ter assediado aos 14 anos, contam fontes próximas da produção citadas pela Associated Press. A notícia foi avançada pela Variety, The Hollywood Reporter e Deadline Hollywood e confirmada pela Reuters junto da Sony Pictures, a distribuidora oficial do filme.

Como resposta às revelações de Rapp, Spacey emitiu um pedido “sincero” de desculpas, assumindo também que escolheu “viver como um homem gay”. Dois dias depois, a Netflix e a Media Rights Capital anunciaram que iriam suspender a produção da sexta (e última) temporada de House of Cards, popular série de bastidores da política americana.

Na semana passada, a CNN publicou os relatos de oito actuais e antigos membros da equipa de produção de House of Cards que denunciam um padrão “predador” no comportamento de Spacey. Mas os casos não se confinam aos EUA. Também a polícia londrina informou que está a investigar o comportamento de Spacey durante o período em que o actor foi director artístico do Teatro Old Vic, na capital britânica. Spacey é uma das personalidades de Hollywood sobre quem mais acusações impendem depois da onda provocada pelas acusações contra o produtor Harvey Weinstein. Na quarta-feira, mais três homens e uma mulher juntaram-se às denúncias contra o actor.

O filme Gore, por sua vez, com data de estreia prevista para 2018 e em fase de pós-produção, no qual Spacey interpreta o papel principal, não será exibido, anunciou a Netflix.

Representantes do actor norte-americano de 58 anos afirmam que Spacey está “à procura de tratamento” e que por isso estará afastado “durante o tempo necessário”.

Conta a Associated Press que Plummer teria sido a primeira escolha de Ridley Scott, mas o realizador terá sido pressionado a procurar um nome com “mais peso”.

Sugerir correcção