América

Porto Rico vai perder 14% da população devido ao furacão Maria

Entre 114 mil e 213 mil porto-riquenhos vão sair “em consequência do furacão Maria” que atingiu a ilha a 20 de Setembro, estimam os especialistas.
Foto
Na segunda-feira, apenas 42% dos habitantes tinham recuperado a electricidade e cerca de 2600 pessoas viviam ainda em abrigos Reuters/ALVIN BAEZ

Quase meio milhão de porto-riquenhos vai deixar a ilhar caribenha até 2019, devido às consequências do devastador furacão Maria, representando 14% da população que já sofria uma profunda crise económica que durava há dez anos, revela um estudo.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Entre 114 mil e 213 mil porto-riquenhos vão sair “em consequência do furacão Maria” que atingiu a ilha a 20 de Setembro, estimam os especialistas do centro de estudos porto-riquenhos do Hunter College em Nova Iorque, num relatório publicado em Outubro.

Entre este ano e 2019, o território norte-americano de 3,4 milhões de habitantes deve perder mais de 470 mil habitantes. Cerca de cinco milhõesde porto-riquenhos já viviam no continente antes do furacão.

“Durante a década anterior ao furacão Maria, a emigração de Porto Rico para os Estados Unidos representou cerca de meio milhão de pessoas, o que representa a perda de cerca de 10% da população da ilha”, indicaram os autores Edwin Melendez e Jennifer Hinojosa.

Dezenas de milhares de habitantes fugiram para os Estados Unidos desde a passagem do Maria, o que vem fragilizar ainda mais a economia da ilha.

“A redução da população de Porto Rico (…) tem numerosas repercussões económicas na ilha”, disse à agência AFP Jorge Duany, antropólogo da universidade internacional da Florida, apontando para o envelhecimento da população, agravado por este êxodo, e para o encerramento de escolas e redução do número de contribuintes.

O furacão Maria matou 51 pessoas em Porto Rico, segundo as autoridades, com a imprensa local a apontar para dezenas de desaparecidos. Na segunda-feira, apenas 42% dos habitantes tinham recuperado a electricidade e cerca de 2600 pessoas viviam ainda em abrigos.