Crítica

Lições de flamenco, para aplaudir e repetir

A décima edição do Festival Flamenco Heritage teve dois momentos portentosos, numa Aula Magna reconquistada para o género. Évora, dia 11, e Madrid, dia 15, ainda têm uma boa surpresa pela frente.

Fotogaleria
Carmen Cortés com Gerardo Núñez (atrás dela, ao fundo, Antonio Carbonell) JOANA LIMA ROCHA
Fotogaleria
Flamenco de Sangre, com El Yiyo e El Tete FILIPE DREHMER
Fotogaleria
Flamenco de Sangre, com El Yiyo e El Tete FILIPE DREHMER
Fotogaleria
Flamenco de Sangre, com El Yiyo e El Tete FILIPE DREHMER
Fotogaleria
Flamenco de Sangre, com El Yiyo e El Tete FILIPE DREHMER
Fotogaleria
Helder Moutinho com Pedro de Castro, André Ramos e Frederico Gato JOANA LIMA ROCHA
Fotogaleria
Gerardo Núñez. À esquerda, Cepillo e Antonio Carbonell. À direita, Carmen Cortés e Pablo Martin Caminero JOANA LIMA ROCHA
Fotogaleria
Antonio Carbonell, Gerardo Núñez, Carmen Cortés e Pablo Martin Caminero JOANA LIMA ROCHA
Fotogaleria
Pedro de Castro, Antonio Carbonell, Helder Moutinho, Gerardo Núñez, André Ramos, Carmen Cortés e Frederico Gato JOANA LIMA ROCHA
Fotogaleria
No final: Cepillo, Antonio Carbonell, Pedro de Castro, Helder Moutinho, Gerardo Núñez, Carmen Cortés, André Ramos, Pablo Martin Caminero e Frederico Gato JOANA LIMA ROCHA

Em duas noites consecutivas, 3 e 4 de Novembro, a Aula Magna voltou a receber o Festival Flamenco de Lisboa, agora rebaptizado Festival Flamenco Heritage porque o seu âmbito já extravasa as fronteiras da capital, indo até Vila do Conde, Aveiro, Évora, Campo Maior, Lagoa e terminando em Madrid, dia 15. E se no passado espectáculos houve que ficaram para sempre na memória (Enrique Morente, Miguel Poveda, Miguel de Tena, Carmen Linares ou Amós Lora), desta vez o “duende” também se fez ali sentir de forma vibrante, sobretudo com os bailaores El Yiyo e El Tete e com Gerardo Núñez. Não só eles, mas todos os que com eles tocaram, de forma calorosa, em noites que foram de emoção e festa.

Um ponto que convém assinalar é que nesta mostra estiveram três formas distintas de sentir o flamenco em três momentos que se complementaram: Extremadura, Catalunha e Andaluzia. Pela primeira, na noite de sexta-feira 3 e num espectáculo chamado Raíces – Extremadura Flamenca, estiveram os guitarristas Miguel Vargas (considerado o patriarca do toque estremenho) e Juan Vargas (seu filho), os cantaores La Kaíta e Alejandro Vega e o veterano bailaor “El Peregrino”, hoje com 75 anos. Teve alguns momentos vibrantes, mas foi, no geral, morno. Não se sentiu no ar a necessária química, como se, sendo todos eles mais que experimentados, ali estivessem ainda à procura do momento certo para arrancar o público das cadeiras em aplausos. Até a exibição de “El Peregrino”, na rábula de entrar de bengala como um ancião para, livrando-se dela, sapatear como um jovem, acabou por parecer algo “folclórica”, o que decerto não estaria nos seus planos. La Kaíta, de notável extensão vocal, não se usou dela como se esperaria, e até quando sem microfone cantou à boca de cena (incorrendo num erro de palmatória, ao virar-se de costas para o público, já que a voz praticamente desapareceu) isso não teve o impacto que teria com outro empenho e cálculo. Sob a batuta dos Vargas (cuja família Lisboa já aplaudira) e dos seus tangos e jaleos, assim começou a noite. Satisfatório, mas pouco inspirado.

Já o que se seguiu foi excelente. Os jovens bailaores El Yiyo (Miguel Fernández) e El Tete (Ricardo Fernández) mostraram que o título Flamenco de Sangre não era metafórico, era bem real. A destreza, elegância e força dos seus passos de baile são arrebatadoras, com destaque para o irmão mais velho, El Yiyo, de 20 anos (El Tete, de 16, segue-lhe as pisadas já com visível competência). Mas é no conjunto que Flamenco de Sangre deve ser entendido. E aqui entra extraordinária capacidade dos músicos, que aos nossos ouvidos soaram como um bloco harmonioso e expressivo, soma dos valores audíveis na prestação de cada um: Miguel Angel Martin, José Sargero Alunda, Manuel Lopez Creo (voz, palmas), Justo Fernández Heredia (guitarra) e Jacobo Cristobal Sánchez (percussões). Se na Extremadura o cante se faz a golpe, com lances que ampliam e moldam o grito a compasso, na Catalunha ele soa como se as vozes desenvolvessem os seus discursos tonais em teias contínuas e envolventes. E isso “casa”, como se viu, de forma perfeita com o baile que El Yiyo e El Tete apresentaram. Sem excessos espúrios, antes fazendo valer toda a sua garra flamenca, foi um espectáculo deveras memorável o que nos trouxe, em som e baile, o bloco catalão que fechou a primeira noite do Festival Flamenco Heritage.

No dia seguinte, sábado, foi a vez da Andaluzia. E os que pensaram que já tinham assistido, na véspera, ao momento mais alto destes dias, tiveram a grata surpresa de ver algo ainda melhor: o espectáculo Entre Dos Águas – A Paco de Lucía, agora com uma “equipa” andaluza. Nele, Gerardo Núñez (guitarra), Carmen Cortés (baile), Antonio Carbonell (cante), Cepillo (percussão) e Pablo Martin Caminero (contrabaixo) foram, juntos e à vez, extraordinários. Sem réstias de exibicionismo, o génio de Gerardo revelou-se na forma como ia fazendo soar a guitarra flamenca, lírica, vigorosa, ardente. Carmen, no baile, teve momentos de excelência (no primor de certos passos, na expressividade e contenção dos gestos) e Antonio Carbonell mostrou que é possível cantar sem microfone (como fez La Kaíta) mas fazer-se ouvir, mediante um saber e uma técnica que o dão como grande senhor do cante. Pablo Martin Caminero, no contrabaixo (que também tocou com arco), foi outra figura, um músico que provou a sua excelência sem fazer alarde dela. E Cepillo, no cajón (a dada altura, foi também percutir a caixa do contrabaixo de Pablo, enquanto este tocava), soube completar o leque de forma superlativa.

Mas o Festival anunciava ainda convidados especiais, Helder Moutinho, fadista, e Pedro de Castro, na guitarra portuguesa. Anunciou-os bem, mas cometeu um erro: colocou-os a frio no palco, logo ao início, a cantar e tocar fado sem qualquer anúncio prévio. Ou seja: os convidados acabaram por, sem que isso estivesse sequer na cabeça do público (provavelmente nem na dos próprios músicos), fazer uma espécie de mini-primeira parte do espectáculo principal. Felizmente, correu bem. Com André Ramos (viola de fado) e Frederico Gato (viola baixo) ao lado de Pedro de Castro, Helder acabou por cantar três fados: Vielas de Alfama, Loucura e O que sobrou da Mouraria.

Voltariam mais tarde, para um jogo fado-flamenco que funcionou perfeitamente porque cada qual manteve o seu papel (Carbonell a elevar a voz, Helder a mantê-la em tons baixos) e porque o palo escolhido mostrou ter parentescos naturais com o fado. Foi assim que ouvimos Resposta fácil (onde Carmen ensaiou uns passos para o fado, naquele que foi o seu único gesto dispensável) e, mais tarde, nos encores, Tenho uma onda no mar e Trago na voz o vento. Aplaudidos de pé, efusivamente, os músicos vieram uma e outra vez ao palco. Cumpria-se assim, com um espectáculo verdadeiramente admirável, o Festival Flamenco Heritage.

Agora, Entre Dos Águas – A Paco de Lucía ainda tem pela frente mais dois palcos: o do Teatro Garcia de Resende, em Évora, no dia 11 (21h30); e o Teatro Nuevo Apolo, em Madrid, no dia 15 (22h).

Sugerir correcção