Surdos já têm intérprete disponível no Gabinete do Munícipe do Porto

Serviço está inserido num projecto da Área Metropolitana do Porto que pretende tornar mais acessíveis os 17 municípios que a compõem

Há cerca de 20 mil surdos profundos na Área Metropolitana do Porto
Foto
Há cerca de 20 mil surdos profundos na Área Metropolitana do Porto Jornal Publico

Os cidadãos surdos que precisem de usar os serviços do Gabinete do Munícipe no Porto já o podem fazer sem receio de não serem compreendidos por quem os irá atender. Desde o início deste mês que aquele espaço dispõe de um serviço de interpretação de língua gestual, uma melhoria criada no âmbito do projecto “Acessibilidade em Língua Gestual Portuguesa na AMP”, que é dinamizada pela Área Metropolitana do Porto (AMP).

Segundo um comunicado da Câmara do Porto, o serviço de interpretação estará disponível no contacto presencial e também pela internet. No primeiro caso, os funcionários do Gabinete do Munícipe dispõem de uma ligação directa a um intérprete em Língua Gestual Portuguesa, através de uma videochamada, o que permitirá a tradução em tempo real das questões ou pedidos feitos pelo munícipe.

Nos casos em que os cidadãos prefiram um contacto telefónico, através de vídeo-chamada, podem registar-se previamente no Portal do Cidadão Surdo ou recorrendo a um telemóvel, marcando o 12472 (este serviço tem o custo de um cêntimo por minuto), ou ainda através do Skype. Neste caso, o contacto deve ser feito para a conta Serviin – Intérprete LGP.

No texto enviado às redacções, a Câmara do Porto explica que o objectivo deste novo serviço é “anular as barreiras na acessibilidade à informação e contribuir para uma sociedade mais inclusiva”. Com a disponibilização de um intérprete de LGP, o cidadão surdo poderá “contactar com o atendimento do Gabinete do Munícipe de uma forma mais autónoma e imediata”, conclui-se no documento.

O projecto da AMP, em que este serviço do Porto se insere, foi apresentado em Maio deste ano e representa um investimento de 18 mil euros. A AMP pretende que este projecto-piloto, que decorre até Dezembro do próximo ano, possa beneficiar os cerca de 20 mil surdos profundos que vivem nos 17 concelhos abrangidos.O serviço já está disponível noutros concelhos da AMP, como Matosinhos, Valongo ou Vila do Conde.