Fotogaleria
A padaria e confeitaria nos anos 30, em Santa Catarina
Fotogaleria
Cunha abriu portas em 1906 ainda na Rua de Santa Catarina Manuel Roberto

Cunha já pediu reconhecimento como “loja histórica”

Comissão vai avaliar pedido da confeitaria e restaurante. Se for reconhecida, a centenária Cunha pode salvar-se do despejo

Na reunião desta terça-feira, Rui Moreira revelou que a confeitaria e restaurante Cunha pediu, na segunda-feira, o reconhecimento como “loja histórica”, o que, a concretizar-se, deverá impedir o despejo anunciado do espaço icónico da Baixa da cidade. “A Cunha apresentou ontem a candidatura, agora será a comissão independente que irá avaliar”, disse o autarca.

A protecção das lojas históricas, no âmbito do programa "Porto de Tradição", foi um dos temas da reunião do executivo, que aprovou, por unanimidade, o reconhecimento como “estabelecimentos de interesse histórico e cultural ou social” da Farmácia Lemos e do restaurante A Regaleira – dois casos que tinham ficado pendentes de nova avaliação, depois de terem sido apresentadas reclamações à sua distinção.

Enquanto ainda se aguarda pelo regulamento do programa "Porto de Tradição" – que deverá estar pronto muito em breve, segundo o vereador Ricardo Valente – os donos das lojas podem continuar a apresentar candidaturas à distinção de “loja histórica”. O socialista Manuel Pizarro ainda sugeriu que, até lá, a câmara pudesse ter uma “atitude mais proactiva” e contactar ela mesma os donos de lojas com interesse, para os incentivar a concorrer, mas Rui Moreira descartou essa possibilidade, apesar de defender que “a atitude pedagógica por parte da câmara deve ser feita”.

Para o autarca, o mais importante é divulgar o programa, para que os interessados possam candidatar-se – todos os que cumpram os requisitos, incluindo os que tinham sido seleccionados na primeira lista de 83 espaços e que não obtiveram, ainda, o reconhecimento. “Estamos a preparar uma acção, envolvendo a Associação de Comerciantes do Porto, para chamar a atenção para essa possibilidade [de candidatura]”, afirmou o presidente da câmara.

Entretanto, num documento distribuído à vereação e aos jornalistas, os responsáveis pelo "Porto de Tradição" divulgaram a existência quinze novos requerimentos de lojas à procura de serem distinguidas. São eles a chapelaria Costa Braga & Filhos, Ld.ª, o Pretinho do Japão, Neves & Filha, Ld.ª (Ourives/Joalheiros), o Teatro Sá da Bandeira, a loja de lâmpadas FontLuz, os Armazéns do Castelo, a Deltrilã, a Fausto & Almeida (material eléctrico), O Cochicho (linhas e botões), a Botónia, o Café Moreira, Vaz, Oliveira & C.ª, Ld.ª (tecidos), os Armazéns Patrício, a Ourivesaria Brilhante e A Pérola do Bolhão. A estes junta-se, agora, a Cunha.