Homem condenado a 24 anos de cadeia por infectar 32 mulheres com o VIH

Contabilista sabia que tinha o vírus da sida mas preferia ter relações sexuais sem preservativo.

Algumas mulheres só fizeram o teste depois de saberem que o italiano tinha sido detido
Foto
Algumas mulheres só fizeram o teste depois de saberem que o italiano tinha sido detido guilherme marques

Um homem italiano foi condenado nesta sexta-feira a 24 anos de prisão por ter infectado mais de 30 mulheres com o VIH, o vírus da sida. O homem teve relações sexuais desprotegidas apesar de saber que tinha VIH, disse o tribunal.

Valentino Talluto, um contabilista com 33 anos, seduziu dezenas de mulheres através das redes sociais ao longo de uma década antes de ser detido em Novembro de 2015. A polícia acredita que ele teve relações sexuais com, pelo menos, 53 mulheres durante esse tempo, passando o vírus a 32 destas mulheres.

Os parceiros sexuais de três destas mulheres contraíram depois o vírus, assim como um bebé de oito meses de uma quarta mulher.

Talluto arranjava desculpas para não usar preservativos, dizendo às mulheres que era alérgico aos preservativos ou que tinha acabado de fazer o teste ao VIH, segundo o que se ouviu num tribunal em Roma.

Ele disse estar arrependido pelo que aconteceu, mas argumentou que não se tinha apercebido das consequências das suas acções.

Os advogados de acusação pediram ao tribunal prisão perpétua para o homem, justificando que ele provocou uma epidemia de VIH. Mas o tribunal rejeitou o pedido, condenando-o antes por ter feito “um mal atroz e incurável” às mulheres.

Muitas das mulheres só descobriram que tinham contraído o VIH depois de saberem que o Talluto tinha sido detido e de fazerem o teste.

A pandemia do VIH já matou cerca de 35 milhões de pessoas em todo o mundo desde o início da década de 1980.