Malas motorizadas que seguem o dono e se pesam sozinhas

Há aparelhos tecnológicos que diminuem o stress de viagens longas.

Fotogaleria
Viajar durante muitas horas nem sempre é agradável, mas a tecnologia ajuda NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
Viajar durante muitas horas nem sempre é agradável, mas a tecnologia ajuda lm miguel manso

Visitar outra cidade ou país pode ser uma experiência enriquecedora (quer seja para lazer ou trabalho), mas a viagem até lá nem sempre é agradável. Desde malas pesadas que custam a carregar (ou ultrapassam o limite permitido em aviões e autocarros), a viagens longas que deixam as pessoas exaustas e desorientadas, ou períodos longos sem acesso a electricidade que acabam com a bateria de todos os aparelhos electrónicos. Há pequenos aparelhos tecnológicos, porém, que oferecem algumas soluções.

Uma mala-robô que se pesa sozinha

Travelmate acaba com o problema de malas pesadas, ao seguir os “donos” para qualquer lado. Sabe que direcção seguir porque está conectada, via bluetooth, a uma aplicação no telemóvel do utilizador. Vem ainda com uma balança interna que actualiza o peso da mala quando se colocam novos objectos no interior (isto elimina preocupações com excesso de bagagem antes de uma viagem de avião), e uma bateria que permite carregar pequenos aparelhos electrónicos através de uma entrada USB.

PÚBLICO -
Foto

Ao nível da segurança, a Travelmate pode ser programada para abrir com a impressão digital do utilizador, e vem com um chip de GPS embutido que permite saber a localização da mala a qualquer altura.

Os preços variam entre cerca de 430 euros para a mala mais pequena que tem 55 centimetros de altura, e 600 euros para a maior de todas que tem 75 centimetros de altura.

O fim do jetlag

O Re-timer resolve o problema de noites mal dormidas devido ao jet lag, um inimigo comum de quem faz viagens longas para sítios com fusos horários diferentes. O aparelho – desenvolvido por Leon Lack um psicólogo clínico do Instituto para a Saúde do Sono de Adelaide, na Austrália – assemelha-se a um par de óculos, mas sem lentes. Quando se colocam, emitem uma luz leve (de tons azuis ou esverdeados) que tem o objectivo de regular o ritmo biológico dos utilizadores.

Ao emitir cores mais vivas, o utilizador fica mais desperto durante a manhã, enquanto uma luz mais esverdeada ajuda a produção de melatonina (uma hormona que melhora o sono). O criador recomend que se utilizem os óculos durante cerca de uma hora por dia, três dias antes de uma viagem grande.

PÚBLICO -
Foto
O aparelho parece um par de óculos, mas sem lentes Re-timer

Os óculos também se podem associar a pulseiras da Fitbit (com a empresa a justificar a escolha porque a pulseira tem 70% do total do mercado dos monitores de actividade) para melhor seguir os padrões de sono dos utilizadores. Os Re-timer custam cerca de 149 euros. 

Malas que levam o utilizador a viajar

A Modobag é uma mala que leva o utilizador e não o contrário. A ideia da mala surgiu quando o criador, Kevin O’Donnell, viu o filho a tentar “conduzir” uma mala de viagem no aeroporto como se fosse uma pequena motorizada.

A mala pesa 9 kg – o que poderá ser um problema para quem a quer levar como bagagem de porão num avião –, mas aguenta até 117 kg em cima. A velocidade varia entre os oito e os 12 quilómetros/hora, e funciona durante 17 quilómetros sem precisar de ter a bateria carregada. A estrutura da mala é feita de alumínio, com um compartimento almofadado para manter portáteis, tablets e outros aparelhos electrónicos em segurança.

PÚBLICO -
Foto
A Modobag transporta o seu dono Modobag

A equipa financiou o projecto através de uma campanha no Indiegogo, e estima que as malas sejam enviadas em meados de Novembro. O preço deve rondar os 1300 euros.

Exercício e electricidade

Durante viagens grandes (a pé, de carro, comboio, ou avião) é comum que a certa altura o telemóvel fique sem bateria. Em casos extremos, as baterias dos powerbanks (carregadores portáteis) também se esgotam.

A solução pode ser utilizar o “Carregador de telemóvel à Manivela para Emergência”. Como o nome extenso indica, é uma bateria que converte a energia produzida ao girar uma manivela durante um minuto (sem parar), em quatro minutos de bateria para carregar outro aparelho com entrada USB. É o suficiente para enviar um sms ou fazer uma chamada de emergência.

Custa cerca de 51 euros.

PÚBLICO -
Foto
Um minuto a rodar a manivela, equivale a quatro minutos de energia Hand Crank Emergency Charger

Cadeado inteligente

Várias carteiras ou malas modernas (como a Travelmate), trazem cadeados igualmente inteligentes, que funcionam, por exemplo, via impressão digital. Quem quer a funcionalidade sem investir numa mala inteira, tem o eGeeTouch, que se desbloqueia através do smartphone do utilizador (seja com sistema Android ou iOS), ou de um relógio inteligente da Apple. Isto elimina a necessidade de ter chaves pequenas ou saber códigos.

Além disso, o utilizador pode monitorizar a localização do cadeado através de uma aplicação, e manter um registo de onde e quando o cadeado foi aberto. Custa cerca de 18 euros.

PÚBLICO -
Foto
O cadeado abre através de um smartphone ou relógio inteligente eGeeTouch

Almofada refrescante

Por cerca de 17 euros, a almofada cervical Evo Microbead, da Cabeau, acaba com sestas desconfortáveis durante as viagens. Não envolve muita tecnologia, mas além de ser ajustável, e vir com um tecido respirável, tem uma secção criada especificamente para alojar o telemóvel e os auriculares para ouvir música ou ouvir podcasts enquanto se adormece.

PÚBLICO -
Foto
A Evo Microbead não se esquece da importância do smartphone para quem a usa Cabeau