Aptoide quer angariar 24 milhões de euros com nova criptomoeda

Loja de aplicações portuguesa marcou lançamento para as datas da Web Summit.

Foto
Os escritórios da Aptoite, em Lisboa LM MIGUEL MANSO

A portuguesa Aptoide, que desenvolve uma loja de aplicações para Android, criou uma nova moeda digital – chamada AppCoin – para ser usada neste tipo de lojas, começando pela sua. Vai ser lançada durante a Web Summit. O objectivo é facilitar e acelerar as transacções entre criadores de aplicações, anunciantes e utilizadores finais, ao eliminar o envolvimento de terceiros, como instituições bancárias. 

“Termos uma moeda própria acelera tudo. E é mais transparente porque permite um fluxo directo entre quem desenvolve as aplicações e o canal de distribuição”, diz ao PÚBLICO Álvaro Pinto, co-fundador e director da Aptoide. Além disso, permite que a geração mais nova – geralmente incapaz de fazer pagamentos digitais – possa ganhar criptomoedas ao usar aplicações com publicidade associada. “O dinheiro passa directamente de uma carteira digital para outra, independentemente de onde se esteja no mundo.”

O protocolo das novas AppCoins assenta na tecnologia de blockchain – uma base de dados distribuída que regista todas as transacções – e está aberto a qualquer loja de aplicações. Se a moeda tiver sucesso, poderá ser utilizada para fazer transacções em outras lojas de aplicações noutros sistemas operativos (por exemplo, no iOS).

“Isto ajuda-nos a dar mais expressão à nova moeda”, frisa o director da Aptoide. "Há cada vez mais projectos financiados através da tecnologia da blockchain." Para obter financiamento, a empresa marcou uma oferta inicial de moedas (ICO), entre os dias 6 e 9 de Novembro. Querem angariar cerca de 28 milhões de dólares (24 milhões de euros) durante o evento, que coincide com a realização da feira tecnológica Web Summit, em Lisboa.

A escolha das datas não foi acidental. “Ao promover a ICO no nosso stand da Web Summit, esperamos conseguir um bom interesse global da parte dos visitantes”, diz Álvaro Pinto. Para participar na pré-venda, basta ter uma conta com mais de 24 horas na loja de aplicações da Aptoide.

A compra das AppCoins não dá acesso a uma parte do capital da startup portuguesa. Apenas a moedas que podem ser utilizadas, mais tarde, na plataforma. Em 2017, a loja já conta com 200 milhões de utilizadores registados em todo o mundo, com o mercado brasileiro e indiano a liderar. Para Pinto, a ICO só deve aumentar a notoriedade do serviço.

Neste momento não temos objectivos específicos para a quantidade de AppCoins vendidas em Portugal, porque a compra está aberta a utilizadores em todos os países onde se pode participar em operações de ICO”, diz o director da Aptoide. “Os utilizadores vão também poder ganhar moedas ao jogar a jogos associados a um determinado produto. O tempo dos utilizadores e a atenção é valorizado.
Este género de operações ganhou popularidade recentemente, mas foi proíbido na China e na Coreia do Sul. Muitas instituições financeiras vêem as ICO, e todo o sistema de divisas digitais associado, como uma ameaça, com a falta de regulamentação a apresentar uma oportunidade para esquemas de lavagem de dinheiro. Recentemente, o banco central da Rússia também avisou que vai bloquear o acesso a sites que oferecem transacções de divisas virtuais.

Álvaro Pinto não se preocupa. “É tecnologia”, resume. “Há pessoas que a usam para coisas boas, e outras para coisas más. Como em tudo, tem de haver um maior controlo do mercado, o que para já é difícil porque se trata de uma tecnologia embrionária. Não acho que os países que estão a restringir estejam a tomar uma decisão definitiva. Estão a dizer que é preciso tempo para a perceber melhor.”

Limitações 

As novas criptomoedas da Aptoide ainda vão demorar a chegar ao mercado depois do período de oferta inicial. “É preciso um compasso de espera que é típico das ICO”, diz Álvaro Pinto, confirmando que ainda há limitações na tecnologia. “Um desafio de muitos projectos é a dificuldade em fazer muitas transacções em simultâneo.”

É um problema que a Aptoide espera ver resolvido antes de lançar as AppCoins para venda ao público em geral. Pinto estima que as novas criptomoedas comecem a circular na Aptoide dentro de seis meses, e sejam norma em várias outras lojas de aplicações online dentro de um ano.

A nova moeda da Aptoide pode ser comprada, entre os dias 6 e 9 de Novembro, a 30% de desconto com outras criptomoedas ou com dinheiro convencional. Com dez dólares (cerca de 8,50 euros) conseguem-se comprar 100 AppCoins. A pré-venda também está aberta a investidores de criptomoedas, parceiros da startup, e criadores de aplicações registados na Aptoide e na loja de aplicações do Google.