Moreira: "Não fomos eleitos para arbitrar. Fomos eleitos para governar"

Na tomada de posse como presidente da câmara do Porto, Rui Moreira, que agora tem a maioria absoluta, falou sobretudo para a oposição, avisando-a que não deve esperar concessões.

Fotogaleria
Manuel Roberto
Fotogaleria
Manuel Roberto

No momento em que tomou posse, pela segunda vez, como presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira escolheu temas recorrentes no seu discurso e a maior novidade foi mesmo para a oposição: podem esperar ser ouvidos, mas não esperem que as suas propostas sejam acatadas, disse o autarca que venceu as últimas eleições com maioria absoluta, ao contrário do que acontecera em 2013.

Com a plateia do Teatro Rivoli a abarrotar e a líder do CDS, Assunção Cristas, na plateia, além de vários autarcas, incluindo o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e também o presidente da Junta da Galiza, Alberto Nuñez Feijó, foi mesmo à oposição que Moreira dirigiu a pare inicial do seu discurso. "O respeito pela oposição, que aqui saúdo, e pela diversidade das opiniões em que o Porto é tão fértil, não implica que todas sejam acatadas e não pode entorpecer a nossa capacidade e obrigação de concretizarmos aquilo que de nós é esperado, por mandato, dos portuenses". E ainda acrescentou: "Foram os portuenses que nos garantiram estas condições de governabilidade".

Por isso, frisou Rui Moreira, a oposição não deve esperar concessões. "Não fomos eleitos para arbitrar. Fomos eleitos para governar e, por isso, não seremos neutrais perante tudo o que se quer, diz ou faz", disse.

E o que o executivo por ele liderado se propõe fazer é concluir os projectos lançador no mandato anterior - como o do Mercado do Bolhão ou do Pavilhão Rosa Mota -, continuar a assumir a Cultura como prioridade (pelouro que o autarca vai manter) e avançar com novas medidas para tentar regularizar o turismo que, avisou o autarca, não deve ser alvo de uma "turismofobia".

Uma das formas de tentar equilibrar o impacto do turismo, garantindo que há oferta de alojamento suficiente para moradores, a preços comportáveis, será, segundo o autarca, o recurso a uma "densificação em zonas específicas". E para os que se preocupam com o que isto possa significar, o autarca deixou um aviso: "O Porto não se pode enamorar de um idílio nostálgico e tradicionalista".

Entre as outras medidas prometidas pelo presidente da câmara está a "criação de residências para seniores". Uma "resposta inevitável" para responder ao envelhecimento da cidade.

Voltando a temas que lhe são caros, Rui Moreira criticou as alterações legislativas que dificultam a contratação pública e argumentou que qualquer tentativa de descentralização só fará sentido com a equivalente transferência de competências. E prometeu não se calar perante o governo central. "O Porto não pedirá licença para falar pelo Norte", afirmou.

Na sessão que começou pouco depois das 17h, no Rivoli, com a actuação do grupo vocal Sopa de Pedra, tomaram posse primeiro os membros eleitos para a Assembleia Municipal e, depois, o executivo da câmara.

A vereação tomou posse já com o conhecimento dos pelouros que seriam assumidos por cada um dos eleitos pela lista independente de Rui Moreira e cuja formalização deverá acontecer esta quinta-feira, em reunião privada do executivo. Desta vez, com maioria absoluta, todos os eleitos pelas outras forças políticas ficaram sem qualquer pelouro atribuído.

Distribuição de pelouros

Assim, o presidente  mantém sob a sua alçada o pelouro da Cultura, além das Finanças e Sustentabilidade. Há caras novas e pelouros que mudam de nome.

O vice-presidente da autarquia será Filipe Araújo, que continuará a ser também o responsável pela Inovação e Ambiente, pelouro que já detinha no primeiro mandato de Rui Moreira, que agora termina. Cristina Pimentel, que conduzia a Mobilidade, terá agora sob a sua gestão um pelouro que passará a chamar-se Transportes, além de assumir a Fiscalização e Protecção Civil. Dos repetentes no elenco governativo de Moreira, o vereador Ricardo Valente, que assumiu um pelouro em Julho do ano passado, mantém-se à frente da Economia da câmara, a que se junta agora o Turismo e o Comércio, num novo pelouro com essas três vertentes (Economia, Turismo e Comércio) a que se junta o da Gestão dos Fundos Comunitários.

Os novos membros do executivo ficam com os restantes pelouros. Catarina Araújo será a responsável pela Juventude e Desporto e também pelos Recursos Humanos e Serviços Jurídicos, Pedro Baganha fica com o Urbanismo e o pelouro do Espaço Público e Património, e Fernando Paulo será agora o responsável pela Habitação e Coesão Social e pela Educação.