Uso de imagem de Anne Frank por adeptos da Lazio indigna Itália

A claque Irriducibili, conhecida pelas suas ligações à extrema-direita, colocou na bancada dos adeptos da rival AS Roma imagens de Anne Frank com uma camisola romanista

Foto
DR

É conhecia por ser uma das claques mais temidas da Europa e volta a ser notícia por maus motivos. Os Irriducibili, grupo de adeptos da Lazio, provocaram no passado fim-de-semana os rivais da AS Roma utilizando a imagem de Anne Frank com a camisola do clube romanista e a provocação, considerada como um insulto antissemita, originou uma onda de indignação em Itália.

No passado domingo, no Estádio Olímpico de Roma, palco utilizado pelos dois principais clubes da capital italiana, alguns ultras da Irriducibili, a principal claque da Lazio, deixaram coladas na bancada dos adeptos do seu rival histórico imagens de Anne Frank com uma camisola da AS Roma, uma fotomontagem que já tinha indignado Itália há quatro anos.

O acto provocou o repúdio quase unanime em Itália, com reacções de todos os quadrantes da sociedade transalpina. O presidente da República italiana, Sergio Mattarella, classificou a atitude como "um acto desumano" e os responsáveis pelo clube biancocelesti, que tem um historial de racismo e de ligações à extrema-direita, foram obrigados a reagir, mostrando repúdio.

Um grupo de representantes da Lazio, incluindo dirigentes e jogadores, levou flores à Sinagoga de Roma e nesta quarta-feira, na deslocação a Bolonha em jogo da 10.ª jornada da Serie A, os atletas da equipa romana jogarão com a fotografia de Anne Frank, alemã de origem judaica que morreu durante a Segunda Guerra Mundial no campo de concentração de Bergen-Belsen, na camisola.

O presidente da Lazio anunciou ainda que o clube vai pagar uma viagem a 200 adeptos ao campo de concentração de Auschwitz para manter viva a memória do holocausto. “Queremos, uma vez mais, reafirmar a nossa posição com um gesto claro e inequívoco: ninguém pode usar a Lazio. A maioria dos nossos seguidores está ao nosso lado, contra o antissemitismo”, garantiu Claudio Lotito.

Em declarações ao jornal espanhol El País, Arturo Diaconale, director de comunicação da Lazio, desmarcou-se do iniciativa dos Irriducibili. "Condenamos este episódio que, lamentavelmente, se criou a partir de uma iniciativa contra o racismo. A Lazio é o único clube em Itália que tem uma linha de intolerância contra o racismo. Vamos ter que continuar com uma acção educativa", referiu.