Frame de Do Outro Lado do Mundo DR
Foto
Frame de Do Outro Lado do Mundo DR

Mostra de Cinema Olhares Sobre Angola está de regresso

Promovida pela produtora Geração 80, a Mostra de Cinema Olhares Sobre Angola vai ter lugar no HANGAR, em Lisboa, entra quarta e quinta-feira. A entrada é livre

Os projectos visuais da produtora angolana Geração 80 darão a conhecer novos trabalhos e autores, na quarta edição da Mostra de Cinema Olhares Sobre Angola, a ter lugar no HANGAR, em Lisboa, entre quarta e quinta-feira desta semana.

Com entrada livre, a mostra abre na quarta-feira, pelas 19h, no HANGAR, em Lisboa, com a projecção de uma selecção de obras realizadas pela produtora nos últimos anos, tendo Angola como pano de fundo. Intitulada A Nossa Geração, o conjunto de produções trata-se de uma breve retrospectiva, que irá contar com videoclipes do álbum Gatuno Emigrante & Pai de Família — lançado em 2016 — pelo cantor Nástio Mosquito, assim como com os bastidores do documentário Independência (2015).

Realizada por Fradique, esta longa-metragem valeu ao cineasta — natural de Luanda — o Prémio Nacional da Cultura de Angola e a distinção de Melhor Documentário do Festival Internacional dos Camarões, em 2016, focando-se nos "anos de luta [que] determinaram o rumo de Angola após 1975". O filme dará continuação à noite de quarta-feira, pretendendo narrar a história de uma independência "proclamada já em clima de guerra, mas com muita emoção e orgulho", descreve o texto de apresentação da obra, que chegou a integrar as selecções oficiais dos festivais de cinema Pan Africano (Estados Unidos), de Luxor (Egito) e de Durban (África do Sul). A sessão contará, ainda, com a presença da directora de fotografia Kamy Lara, acompanhada do sociólogo Manuel Dias dos Santos.

De acordo com o perfil biográfico traçado no comunicado, Lara encontra-se a trabalhar no seu primeiro documentário, denominado Palco Invertido, composto por filmagens do processo de bastidores de um dos espectáculos da Companhia de Dança Contemporânea de Angola. A responsável pela fotografia da produtora à qual a mostra se dedica volta a ser incluída nos eventos de quinta-feira, pautados pela exibição de uma série de curtas-metragens, debruçadas sobre a vida quotidiana da população. Estas sessões contam com curadoria de Maria do Sameiro André e Jorge António.

Enquanto Alambamento (2008) volta a colocar a ênfase no trabalho do realizador Fradique, as curtas A Luz No Quarto Era Vermelha Porque Não Existia (2016) e Há Um Zumbido, Há Um Mosquito, São Dois (2017) são exemplos das criações de Ery Claver, ambas integradas na exposição colectiva Fucking Globo, de Luanda, recentemente. A última curta-metragem, Havemos de Voltar (2017), da autoria de Kiluanje Kia Henda, sintetiza um projecto mais longo, com o intuito de apresentar uma reflexão quanto "[ao] momento artístico contemporâneo vivido em Angola".

O fecho do ciclo, pelas 21h, será assinalado com a visualização do documentário Do Outro Lado Do Mundo (2016), cuja realização e fotografia ficaram a cargo de Sérgio Afonso. Rodado entre as cidades de Luanda e Bentiaba, o primeiro grande projecto do artista foi seleccionado para o programa DOCTV CPLP II, com vista a incitar ao debate "das relações humanas contemporâneas derivadas do intercâmbio entre Angola e China". O enredo abrange duas histórias de amor, "protagonizadas por duas mulheres de culturas diferentes [que] partilham a coragem e a ousadia de mudar o seu destino e quebrar barreiras culturais em prol da felicidade".

A produtora Geração 80 surgiu em 2010, graças aos esforços do realizador Fradique (Mário Bastos) e dos produtores Tchiloia Lara e Jorge Cohen, interessados em difundir e documentar através de imagens o dia-a-dia de Angola, no qual a organização está sediada. Ao mesmo tempo, o grupo espera "inspirar uma geração", encarando a cultura como sinónimo de "mudança, crítica [e de] construção de uma identidade".