As tendências do Verão no Portugal Fashion fazem-se com o encontro de gerações de designers

Durante três dias, jovens criadores e nomes consagrados da moda nacional definiram as tendências da Primavera/Verão 2018 na cidade do Porto.

Fotogaleria
Katty Xiomara UGO CAMERA
Fotogaleria
Luis Buchinho UGO CAMERA
Fotogaleria
Nuno Baltazar UGO CAMERA
Fotogaleria
David Catalán UGO CAMERA
Fotogaleria
Olimpia Davide UGO CAMERA
Fotogaleria
Inês Torcato UGO CAMERA
Fotogaleria
Estelita Mendonça UGO CAMERA
Fotogaleria
Susana Bettencourt UGO CAMERA
Fotogaleria
Diogo Miranda UGO CAMERA
Fotogaleria
Miguel Vieira UGO CAMERA

Já será difícil imaginar o Portugal Fashion sem o espaço Bloom. A plataforma responsável por lançar novos talentos no design de moda português tornou-se uma imagem de marca e abriu a possibilidade de os bloomers passarem (mais tarde) para a passerelle principal, ao lado de nomes consagrados da moda nacional. Foi esta combinação de profissionais que definiu as tendências da colecção Primavera/Verão de 2018. Durante três dias, o Porto acolheu os tecidos leves, as temperaturas quentes e cores da próxima estação.

O encontro de gerações não definiu o primeiro dia do Portugal Fashion na quinta-feira — exclusivamente dedicado aos talentos emergentes. No Museu do Carro Eléctrico, entre a maquinaria industrial e as carruagens, seis escolas de moda portuguesas como a ESART a participar pela primeira vez e a ESAD presente desde 2010 — com que o PÚBLICO falou — juntaram-se a jovens criadores como David Catalán, Olimpia Davide (Sara Marques) e Inês Torcato.

Com uma colecção exclusivamente masculina, David Catalán intercalou peças oversized com outras mais justas. Desde o azul da ganga até aos bolsos de cor amarela e verde de uma camisa branca — tal e qual a bandeira do Brasil e que combinou com a música brasileira da primeira parte do desfile —, o jovem designer apostou nos materiais impermeáveis de alguns casacos e deixou ver a pele em camisolas de rede.

Inês Torcato, por seu lado, deixou que a cor branca, o preto e o azul apresentassem uma colecção mais fria e crua. Acompanhados de música metal, os vestidos compridos e disformes caracterizaram as mulheres da colecção Self-Portrait (Mirror). No lado dos homens, as camisas, os casacos, calças e as t-shirts com pormenores e nós de um dos lados definiram a natureza misteriosa e dura da colecção.

Já Olimpia Davide, marca de Sara Marques, recolheu mais uma vez inspiração nas memórias de infância — característica que faz parte da sua identidade como designer. Na colecção Primavera/Verão, os pormenores do vestuário dos avós ganharam nova vida: as aparentes saias compridas das modelos eram afinal uma espécie de aventais com padrões e as camisas brancas e coloridas inspiraram-se no roupeiro do avô.

A Alfândega do Porto recebeu na sexta-feira os desfiles de designers como Estelita Mendonça e Susana Bettencourt, que começaram no espaço Bloom, e Miguel Vieira, prestes a celebrar 30 anos de carreira em 2018.

Estelita Mendonça imprimiu riscas azuis e brancas em casacos e calças e deu também sugestões para dias de chuva com gabardines e casacos impermeáveis. Já Susana Bettencourt inspirou-se na marcha das mulheres de Janeiro de 2017 para criar Creative Resistance. Os uniformes de aviação dos anos 70 deram cor aos padrões das peças e marcaram a silhueta de uma mulher jovem e decidida.

A finalizar a comemoração de dez anos de carreira, Diogo Miranda deixou que os volumes nas mangas, os laços e os vestidos justos encarnassem a habitual mulher sensual das suas colecções. Miguel Vieira rematou o segundo dia de Portugal Fashion com uma antevisão do que poderá ser o ano do 30.º aniversário da marca: linhas sóbrias e elegantes pontuadas com cores neutras.

A fechar o último dia do evento,  ontem, Katty Xiomara, Luís Buchinho e Nuno Baltazar mostraram porque é que são uns veteranos nestas andanças. A designer luso-venezuelana lembrou Miami dos anos 60 numa linha que tinha tanto de romântica como de refrescante. Já o criador natural de Setúbal apresentou uma linha desportiva e fluida para o Verão de 2018. Por fim, com Nuno Baltazar, uma linha clássica e sofisticada viu-se tanto em homens como mulheres: camisas abertas e fatos para eles e transparências e calças de cintura subida para elas.