CaixaBank põe BPI com lucros de 23 milhões até Setembro

A propósito da crise da Catalunha, o banco agora dominado pelo CaixaBank explicou em conferência de imprensa de apresentação de resultados que "o BPI é um banco autónomo" do seu accionista catalão.

Foto
Paulo Pimenta

"O BPI é um banco autónomo, nomeadamente em termos de liquidez, do seu accionista CaixaBank", garante Pablo Forero, que se recusou a falar sobre o conflito entre Espanha e Catalunha. O gestor declinou ainda comentar o impacto no CaixaBank da fuga de depositos que se terá registado na Catalunha, segundo a imprensa local.

Entretanto, num comunicado enviado ao mercado, o banco liderado por Pablo Forero revela que "o BPI registou de Janeiro a Setembro de 2017 um resultado líquido consolidado de 312 milhões de euros, excluindo resultados não recorrentes, o que representa um aumento de 71% face aos 183 milhões de euros registados no mesmo período de 2016".

Assim "o resultado líquido 'como reportado' foi positivo em 23 milhões de euros", isto é, o resultado que inclui  "o impacto contabilístico [negativo] da venda de 2% e desconsolidação do BFA (-212 milhões de euros) e os custos extraordinários registados no primeiro semestre (-77 milhões de euros)"

O banco acrescenta que o negócio em Portugal contribuiu com 152 milhões para o lucro líquido recorrente, reflectindo uma melhoria de 96 milhões face ao mesmo período do ano anterior”.

O BPI destaca ainda o contínuo reforço da actividade comercial" que se traduziu "no aumento de 1.800 milhões de euros nos recursos totais de clientes para 34.742 milhões de euros (+5,5%), com destaque para a forte expansão dos fundos de investimento que subiram 696 milhões de euros (+13,3%) e para os depósitos que cresceram 417 milhões de euros (+2,1%)".

O crédito a empresas cresceu 5%, enquanto que o crédito ao consumo subiu 8%. O stock de crédito hipotecário desceu ligeiramente (-0,1%).

Já as comissões líquidas cresceram 8,8%, ao passo que os custos com a estrutura recuaram 7,6%. 

O banco dá ainda conta de que ficou "acordada a saída de 617 colaboradores representando 11% do quadro inicial, uma reestruturação distribuída ao longo dos próximos dois anos: "316 pessoas deixaram os quadros do banco até 30 de Setembro; prevê-se a saída de 228 até final de 2017 e de 73 em 2018". 

O custo deste programa de 106 milhões foi integralmente reconhecido no primeiro semestre de 2017, com uma poupança estimada, anualmente, de 36 milhões a partir de 2019. 

Pablo Forero explicou em conferência de imprensa que "o plano de redução de trabalhadores está concluído, todos os contratos de rescisão estão assinados", acrescentando que os custos apresentados "já incluem os pagamentos das indemnizações".