#PinhaldoPovo congrega esforços para replantar Leiria

Especialista alerta para perigos do excesso de voluntarismo por parte de quem não domina o património florestal.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Contra a apatia e a falta de reacção, a necessidade de recuperar o pinhal de Leiria destruído pelo fogo está na base da criação de vários grupos de cidadãos, que foram sendo mobilizados através das redes sociais. Estão dispostos a tomar nas suas mãos a replantação de árvores nalgumas das áreas que foram reduzidas a cinzas.

Na sequência das críticas ao excessivo voluntarismo destas iniciativas, por parte de quem não domina o património florestal, um destes grupos denominado #PinhaldoPovo divulgou, ao final da manhã desta quarta-feira, via Facebook, um comunicado a esclarecer que a vontade de reerguer o Pinhal de Leiria não se concretizará sem “congregar e articular sinergias” e sem estabelecer os contactos tidos como necessários “com técnicos, instituições, organizações e autoridades locais” capazes de assegurar o devido aconselhamento quanto à melhor forma de concretizar o propósito.

“Estamos conscientes de que o objectivo que abraçamos exige tempo e ponderação em igual medida de acção e determinação. Por esse motivo (…) optamos por prosseguir com a prudência que é exigida, dedicando ao diálogo e à análise construtiva o tempo que for necessário, por forma a não esvaziar o projecto em acções desadequadas à realidade”, escreve Diogo Carvalho Alves, um dos promotores do movimento. 

“Estas iniciativas voluntaristas têm o seu lado simpático mas depois podem ter consequências menos simpáticas”, alerta Joaquim Sande Silva, professor na Escola Superior Agrária de Coimbra, argumentando que a regeneração de um pinhal é um trabalho que cabe a técnicos com formação florestal. Admitindo que o trabalho voluntário possa ser útil em operações simples de plantação, o especialista lembra ainda que muitas vezes a regeneração da floresta “não se resolve com replantações, mas com o saber aproveitar a regeneração natural”.

“Sendo o pinhal de Leiria um pinhal adulto, com alguma capacidade de auto-regeneração, há que tirar partido desse potencial em vez de estarmos a arrasar tudo para plantar de novo”, acrescenta Joaquim Sande Silva, para acrescentar que estas operações “têm o seu timing, porque é necessário perceber como é que o sistema vai reagir depois do fogo, nomeadamente com a variante das plantas invasoras que podem comprometer todo o trabalho”. Em síntese, “voluntarismo sim, mas sempre sob supervisão”.