Xi Jinping quer China “no palco principal do mundo”

Presidente chinês anunciou a entrada numa “nova era” em que a China terá “um importante papel na História da humanidade”.

Xi Jinping a discursar no Congresso
Foto
Xi Jinping a discursar no Congresso HOW HWEE YOUNG/EPA

A China entrou “numa nova era”, a era em que “deve estar no palco principal do mundo”, disse o Presidente chinês, Xi Jinping, na abertura do 19.º Congresso do Partido Comunista Chinês, que decorre a partir desta quarta-feira em Pequim. 

A China, disse, pode “ser uma grande potência no mundo” e desempenhar “um importante papel na História da humanidade”.

O Presidente chinês, que acaba de cumprir o seu primeiro mandato de cinco anos, e tem mais cinco assegurados, disse que o modelo de crescimento chinês — o “socialismo com características chinesas” — “floresceu” e tornou-se um “novo modelo” que outros países em desenvolvimento podem seguir. “Outros países têm [agora também] esta escolha”, disse Xi.

É o Congresso, que se reúne de cinco em cinco anos e que se realiza à porta fechada, que determina quem manda na China. O comité central deverá escolher novamente Xi para secretário-geral (o cargo mais importante do país, que o torna Presidente da China).  

Pouco depois de o Congresso acabar — não há uma data determinada para o encerramento —, o partido divulgará quem são os novos membros do comité permanente do politburo, o órgão mais poderoso da hierarquia. 

Desde que Xi chegou ao poder, em 2012, as reformas económicas visando a modernização aceleraram-se. Xi tornou-se também mais controlador da cadeia de decisão. Xi apresenta-se desde o primeiro momento como um presidente transformador, como o foram Mao Tsetung (que instituiu a China comunista) e Deng Xiaiping (que iniciou a reforma e a abertura).

No discurso com que abriu o Congresso do PCC, que os analistas classificaram de “muito confiante”, percorreu os seus primeiros cinco anos no cargo e concluiu que a China está numa situação estável (conseguiu controlar o partido, em grande parte devido à campanha anticorrupção),  conseguiu grandes feitos na economia e encontrou um lugar no mundo — até agora, nunca o Presidente ousara ligar o nome da China ao conceito de grande potência mundial. Foi a primeira vez que o fez — ainda que se tenha ficado pelo “pode” ser uma grande potência. 

Xi confirmou que o seu modelo de gestão político-económico, o socialismo com características chinesas, é para manter e disse que o Partido Comunista se oporá a qualquer ideia ou movimento que comprometa a liderança do PCC. 

Anunciou ainda um plano de duas fases para alcançar a “modernização socialista” — um novo conceito — da China em 2050. Não o descreveu em pormenor, disse que se centra em reformas económicas e em medidas ambientais que tornarão a China “próspera e bonita”.