Vinte anos de Harry Potter, “ícone cultural”, esta sexta-feira na Biblioteca Nacional

Conferência internacional Harry Potter (1997-2017): 20 anos reúne especialistas e leitores, com entrada livre, em Lisboa.

Foto
Marco Duarte

A Biblioteca Nacional recebe sexta-feira vários investigadores para discutir um dos maiores fenómenos literários, e da literatura juvenil em particular, das últimas duas décadas. Harry Potter (1997-2017): 20 anos é o tema da conferência internacional que vai analisar o contexto em que surgiu este “ícone cultural”, as suas leituras sociais e contributos para a narratologia, mas também servidão, ética ou geografia da saga de J. K. Rowling.

A conferência, de entrada livre, ocupará a tarde de sexta-feira, dia 20, na Biblioteca Nacional com dois painéis que vão explorar “o universo de Harry Potter e de outros heróis” e Potter “para além do cânone”, como indica o programa do evento. “A série de romances ocupa um total de 4195 páginas e vendeu mais de 500 milhões de cópias em todo o mundo, tornando-se a mais vendida de sempre”, indica a Biblioteca Nacional na sua apresentação da conferência, dedicada a uma série literária traduzida em mais de 65 línguas e que despertou “um maior interesse pela leitura” entre o público mais jovem.

A partir das 14h, investigadores portugueses — Gisela Silva e Sara Reis, da Universidade do Minho, João Santos, Alice Gonçalves e Juliana Lopes da Universidade do Porto e Emília Ferreira e Maria Zulmira Castanheira e Rogério Miguel Puga, da Universidade Nova de Lisboa — e estrangeiros — Fran Pheaseant-Kelly e Gabriela M. Steinke da Universidade de Wolverhampton ou Cheryl Lans — conversam. Vão apresentar as suas ideias sobre temas como “o livro certo na altura certa?” ou “o mundo fantástico de Harry Potter na construção identitária do herói”, passando por “questões de servidão e identidade nos elfos domésticos” ou a mesa-redonda com alunos “Experiências potterianas em Portugal”.

Rowling, autora da série e que morou e se casou no Porto entre 1991 e 1993, expandiu também o seu universo em obras como Fantastic beasts and where to find them, que tal como toda a saga Potter (sete obras) foi adaptado para o cinema pela Warner Brothers com igual sucesso de popularidade. A conferência é ainda complementada por “uma pequena mostra de obras de J. K. Rowling, organizada pela Biblioteca Nacional de Portugal”.