Reportagem

E na rua gritou-se "Acorda Portugal!"

Em frente ao Palácio de Belém, os manifestantes pediram a demissão do Governo, de António Costa a Constança Urbano de Sousa.

Fotogaleria
Manifestação em Belém Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Havia a ironia da chuva a cair, depois de tantos incêndios. Volta e meia, as velas apagavam-se. Havia vozes que furavam os intervalos de silêncio na manifestação e que gritavam pelos avós que morreram nas chamas. Havia quem erguesse fotografias, retratos de pais que não conseguiram escapar ao fogo que nestes meses assolou Portugal.

Nesta terça-feira, foram centenas os que saíram à rua, em frente ao Palácio de Belém, para mostrar indignação com a forma como o Governo tem gerido o drama dos incêndios. A polícia não avançava números oficiais, mas à medida que o tempo ia passando, havia cada vez mais chuva e mais pessoas de cartazes na mão. Lia-se: “Vai de férias, MAI”, “Quando o Estado é incapaz de proteger a vida dos cidadãos serve para quê?”, “Sra. ministra, as vítimas dos incêndios também não vão ter férias”. Cantou-se o hino, fez-se um minuto de silêncio pelas vítimas. Gritou-se “não esquecemos”, "acorda Portugal", “vergonha”, “tristeza”, “Costa para a rua”, "demissão". No início, admitia-se que estivessem em Belém mais de 200 pessoas, uma hora depois já se apontava para 600 a mil pessoas. Nos próximos dias estão marcadas mais manifestações e noutros pontos do país.

Este protesto em Belém juntou dois grupos com organizações diferentes, embora ambos tivessem sido criados no Facebook. Um dizia-se apartidário, outro era organizado por apoiantes próximos do ex-ministro social-democrata Passos Coelho. Querem dar voz à indignação. Em Espanha, os incêndios também levaram milhares à rua em protesto.

Um dos organizadores, da manifestação “civil e apartidária”, Nuno Pereira da Cruz, garante que o objectivo “não é pedir a demissão de ninguém, mas demonstrar indignação por terem morrido mais de cem pessoas” nestes quatro meses, com os fogos. Diz estar “chocado” porque a “desgraça” voltou a acontecer depois do incêndio de Pedrógão Grande. E não gostou de ouvir as palavras que o primeiro-ministro dirigiu ao país na segunda-feira, não lhe pareceu que tivesse assumido as devidas responsabilidades. “Temos de sair à rua”, pensou.

Já Paulo Gorjão, apoiante próximo de Passos Coelho e organizador do outro protesto, defende que “a ministra tem de ir à sua vida”. Entende que está “descredibilizada” e que o que está a acontecer é “inadmissível”.

Nelson Silva concorda: para este piloto de aviões de 42 anos, a ministra não tem condições para continuar no cargo. “Em último caso, o próprio António Costa devia dar a cara e assumir a responsabilidade”, diz. Para Luísa Ferreira, 54 anos, podia cair “o Governo inteiro”.

Também houve quem levasse histórias de perdas para aquele jardim. Dois irmãos com fotografias dos pais e dos avós que morreram em Pedrógão Grande, serenos na sua dor, pediam a demissão da ministra e defendiam que os relatórios entretanto conhecidos fossem tidos em conta e tomadas medidas. Um neto de 27 anos, que também perdeu os avós numa aldeia de Santa Comba Dão no domingo, garantia que ia fazer tudo o que estivesse ao seu alcance, “levar isto até às últimas consequências” para não deixar passar em branco a tragédia. Não se percebe bem se essas últimas consequências se ficam pelo pedido de demissões de governantes, mas percebe-se bem que a revolta lhe tomou conta da voz.