Conteúdo comercial

Banco Popular: o papel da banca na literacia financeira

O terceiro encontro do ciclo Conversas Soltas acontece esta quinta-feira, dia 19 de Outubro, e em foco estará a participação do sector bancário na melhoria da literacia financeira.

Foto

Depois de ter debatido a participação do ensino e das empresas no aumento da literacia financeira a terceira conferência do Ciclo Conversas Soltas, Literacia Financeira de A a Z, uma parceria entre o jornal Público e o Banco Popular, vai debruçar-se sobre o papel da banca na melhoria dos conhecimentos financeiros dos clientes e da sociedade em geral.

Saber como funciona o sistema financeiro, quais são os deveres e as obrigações tanto das instituições como dos cidadãos, ter ferramentas para escolher quais os melhores produtos para aplicar as poupanças ou quais os melhores investimentos são bases fundamentais para que os cidadãos possam tomar as decisões mais assertivas e adequadas ao seu caso específico. Já ninguém vive com o dinheiro debaixo do colchão ou a esconder o porquinho mealheiro no roupeiro e é com cidadãos mais informados sobre onde e como podem aplicar o dinheiro que se aumenta o índice de poupança e se revitaliza a economia.

Do lado da banca, é também imperativo que os clientes conheçam as características e a actuação das instituições bancárias na sociedade e na economia pois só assim é possível fomentar uma relação de confiança que permita acautelar a estabilidade do sistema financeiro.

A questão é precisamente como é que a banca deve trabalhar neste imperativo de aumento de conhecimento por parte dos cidadãos? Que políticas deve implementar? Que discurso deve utilizar para que os clientes não se percam no “economês” da linguagem financeira?

“Spreads”, as diferenças entre TAEG, TAE ou TAN, conta poupança, conta ordenado, fundos de investimento são conceitos nem sempre perceptíveis ao cliente comum e que dificultam a comunicação e o entendimento da banca com os cidadãos na hora de partir para um crédito à habitação ou para um plano de poupança a curto, médio ou longo prazo. Nessa medida, as estratégias que cada instituição bancária consiga implementar na melhoria de conhecimentos financeiros dos clientes serão o caminho para uma relação mais transparente e de confiança entre banca e sociedade, que é sempre o pilar basilar do funcionamento da economia.

E quais são as melhores estratégias e as melhores políticas do sector bancário para o aumento da literacia será então o mote para o terceiro encontro do ciclo de Conversas Soltas, que decorre pelas 10:30 na sede do Banco Popular, cujo debate contará com a presença do seguinte painel: 

- Catarina Cardoso, Diretora do Centro de Assessoria Económica e Financeira da APB (Associação Portuguesa de Bancos)

- João Duque, Economista e Professor Universitário no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG)

- Rodrigo Domingues, consultora PwC

- Pedro Brinca – professor na Universidade NOVA de Lisboa

- Sofia Nascimento Rodrigues, membro da Direcção da APAF

Assista aqui em directo.