Com mais de 300 fogos, este foi "o pior dia do ano"

Treze incêndioscontinuam a ser de grande intensidade.

Patrícia Gaspar referiu que todos os meios estão activos
Foto
Patrícia Gaspar referiu que todos os meios estão activos ANTvìNIO COTRIM

A adjunta de operações nacional da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar afirmou este domingo de Outubro "foi o pior dia do ano em matéria número de incêndios", tendo sido ultrapassados os 300 fogos florestais.

"Já ultrapassámos os 303 incêndios desde a meia-noite", indicou durante um balanço feito às 17h30 aos jornalistas, sublinhando que estavam àquela hora "todos os meios disponíveis empenhados no combate aos incêndios".

A responsável da ANPC referiu que, nessa altura, existiam 13 incêndios de importância elevada, destacando como mais graves os de Monção, o de Seia, o de Vale de Cambra, Lousã, Sertã e Arganil.

Pouco antes, o parque de campismo da Praia da Tocha, Cantanhede, começou a ser evacuado, na sequência de um incêndio que começou em Quiaios, Figueira da Foz, disse fonte da GNR.

Este incêndio começou nas matas nacionais de Quiaios, junto ao Ervedal e já obrigou à retirada de três idosos acamados da localidade de Cova da Serpe, disse o chefe de gabinete do presidente da Câmara da Figueira da Foz, Tiago Castelo-Branco, à agência Lusa.

Num outro incêndio na Figueira da Foz, dois bombeiros ficaram feridos, um deles com necessidades de tratamentos hospitalares, quando se deslocavam para esse fogo, em Paião, Figueira da Foz, disse fonte da Protecção Civil.