Poke, haupia e mais comida havaiana no Porto

Há pranchas de surf, colares de flores e comida simples. Cristina e Maria ainda não foram ao Havai, mas o Havai já chegou ao Porto

Poke Bowl - Salemona
Foto
Poke Bowl - Salemona Paulo Pimenta

Na faina, os pescadores temperavam de uma forma rude (com sal e algas) as aparas de peixe que usavam como lanche. Essa terá sido a origem do poke, com história no Japão, mas indispensável na comida havaiana — e que já pode ser provado no restaurante Honolulu, no Porto.

No Havai, esta salada de peixe marinado servida numa base de arroz branco al dente ou couscous é tão conhecida como o surf ou como os colares de flores — também cá estão, usem e sintam-se à vontade —, a refeição mais comum numa ida à praia, num almoço de família ou nos expositores de um qualquer supermercado.

PÚBLICO -
Foto
O restaurante não fica numa artéria principal do Porto Paulo Pimenta

Cristina Araújo e Maria Fernandes ainda não visitaram o país, mas absorveram as informações partilhadas por um amigo comum que todos os anos participa numa competição Iron Man nas ilhas do Pacífico. "Ele trouxe algumas ideias e fala de um paraíso com uma energia diferente da nossa. Por ele, ia para lá viver", conta à Fugas Cristina, sentada à mesa de um restaurante que abriu no dia 15 de Agosto, no número 58 da Rua dos Bragas. "Queremos ir lá conhecer e pesquisar novas receitas. Talvez no próximo ano", suspira uma das fundadoras do espaço, com meia dúzia de poke bowls na carta: Punanã Hua (atum), Salemona (salmão), Shrimp (camarão), Ka Moa (frango), Me Ka Waiu (queijo feta) e Ka Hua (fruta), com o preço a variar entre os 5,50 e os 6,90 euros.

O menu, simples, apresenta três bruschettas (a Pona com pesto, mozzarella fresca, tomate e orégãos; a Aina com abacate, tomate, cebola roxa, noz e alface; a Ohana com salmão fumado, queijo brie e geleia de amoras), saladas e tostas em pão saloio à base de abacate e pesto que servem bem de refeição. Há brunch a qualquer hora do dia, taças de fruta, açaí, scones, tapiocas doces e salgadas, papas de aveia e bolo caseiro à fatia. De segunda a sexta existe um prato do dia (por 4,90 euros).

Este Honolulu não fica junto à praia, mas também não fica numa artéria principal do Porto. Nem coisa que se pareça. "A confusão começa ali na rua de Cedofeita e vai até ao centro", aponta Cristina, satisfeita com o entusiasmo de quem tem visitado um espaço "diferente", "mais clean", com "inspiração havaiana", um pouco à imagem de "uma forma de viver mais calma" que imagina nas ilhas tropicais. "O Havai está no imaginário de qualquer pessoa."

PÚBLICO -
Foto
Poke bowl - Ka Moa Paulo Pimenta

Na cozinha marinam alguns segredos (como os molhos havaianos), mas a maior parte dos ingredientes "são muito fáceis de encontrar", como o atum fresco ou o salmão, a manga ou o ananás, a cenoura, as cebolas ou a couve roxa. "Os havaianos consomem muitos fritos, mas nós pesquisámos e introduzimos na nossa cozinha a parte mais saudável", sublinha Cristina.

Só mais duas coisas sobre o Havai. A primeira chama-se Haupia (2,50 euros), sobremesa  tradicional à base de leite de coco — tornou-se popular depois da Segunda Guerra Mundial como cobertura para bolos de casamento. A segunda é um par de palavras que deve pronunciar enquanto respira. Aloha. Mahalo.

PÚBLICO -
Foto
A sobremesa haupia à base de lete de coco Paulo Pimenta