Béla Tarr vem a Portugal ensinar como fazer filmes

De 26 de Fevereiro a 11 de Março, o realizador húngaro de filmes como O Cavalo de Turim, reformado do cinema desde 2012, vem a Espinho dar um workshop para ajudar 12 participantes a desenvolverem uma curta-metragem.

Desde 2012 que Tarr se reformou da realização, após <i>O Cavalo de Turim</i>
Foto
Desde 2012 que Tarr se reformou da realização, após O Cavalo de Turim REUTERS

O húngaro Béla Tarr é conhecido pelos seus planos demorados e filmes, muitos co-realizados com a sua esposa, Ágnes Hranitzky, tais como o épico de sete horas e meia de 1994 Sátántangó, uma adaptação do livro homónimo de László Krasznahorkai, um nome recorrente na obra de Tarr, que foca uma aldeia em decadência, Werckmeister harmóniák, de 2000, sobre uma aldeia remota e gelada por onde passa um circo, ou O Cavalo de Turim, de 2011, centrado no cavalo que Friedrich Nietzsche viu ser chicoteado e o camponês que o chicoteou.

Desde 2012 que Tarr se reformou da realização de longas-metragens, logo após o lançamento desse último filme, mas isso não quer dizer que não continue a trabalhar. O realizador tem vindo a dedicar-se à educação. Nesse mesmo ano, começou um programa de cinema em Sarajevo, que acabou em 2016 por falta de dinheiro. Agora, de 26 de Fevereiro a 11 de Março do próximo ano, Tarr virá a Portugal, mais concretamente Espinho, num espaço ainda a determinar, para dar um workshop de cinema, que, por várias razões, não estará acessível a toda a gente. Com apenas 12 vagas, as duas semanas servirão para desenvolver, sob orientação de Tarr, o guião de uma curta-metragem. Cada participante paga 1599 euros e será seleccionados pelo próprio realizador, através de portefólio e carta de motivação. Escusado será dizer que, tendo em conta a idiossincrasia dos filmes de Tarr, um modelo de ensino de cinema convencional.

A organização é da FEST, a associação cultural que organiza o Festival Novo Cinema, Novos Realizadores, na mesma cidade de Espinho que receberá a presença de Tarr – e por onde o realizador passou na edição de 2016 –, e, através da plataforma FEST FILM LAB, organiza este tipo de iniciativas à volta do mundo. Até ao fim do ano, por exemplo, Londres será o palco de acções com a coreógrafa britânica Francesca Jaynes, o realizador palestiniano Sandra Copti, bem como o produtor inglês Gareth Wiley. Mas nomes como Fernando Trueba, Melissa Leo, Nigel Cole, ou Alex Rodriguez já passaram por estas iniciativas, seja no Porto, em Hong Kong, Berlim, Abu Dhabi, Barcelona ou Nova Iorque.