Ricardo Salgado proclama inocência e diz que não se deixará esmagar

O advogado do banqueiro leu um comunicado na presença de Ricardo Salgado, numa declaração sem direito a perguntas.

Fotogaleria
O ex-banqueiro esteve em silêncio durante toda a leitura do comunicado Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Ricardo Salgado foi acusado pela alegada prática de 21 crimes Rui Gaudêncio
Fotogaleria
No final da leitura da declaração, Salgado saiu da sala vagaroso Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Salgado passa por um momento difícil da sua vida, disse o advogado do ex-banqueiro Rui Gaudêncio

O antigo líder do BES, Ricardo Salgado, proclamou nesta quinta-feira a sua inocência em relação aos 21 crimes de que foi acusado na Operação Marquês. Pela voz do seu advogado, Francisco Proença de Carvalho, o banqueiro disse que não se deixará esmagar, numa declaração sem direito a perguntas dos jornalistas lida num hotel de Lisboa.

De fato cinzento e gravata de xadrez em tons de azul e vermelho, Ricardo Salgado manteve-se sempre em silêncio. No final, saiu da sala do hotel em passo vagaroso. Francisco Proença de Carvalho disse que está a passar por um momento difícil da sua vida, por causa de um processo que ficará para a história da Justiça portuguesa como “um dos piores exemplos de violações dos direitos” dos arguidos. 

“Este processo infringiu todas as regras da decência”, observou o advogado, numa referência às violações do segredo de justiça que foram permitindo saber, ao longo dos últimos três anos, o que os investigadores iam descobrindo. “Ricardo Salgado não praticou qualquer crime, a acusação é totalmente infundada.” As “luvas alegadamente pagas ao antigo primeiro-ministro José Sócrates para favorecer os interesses do Grupo Espírito Santo são um caso “a que é absolutamente alheio”. 

Para Francisco Proença de Carvalho, o banqueiro representou “uma espécie de bóia de salvação para um processo que se estava a afundar nas suas múltiplas teses contraditórias”. E da única vez que Ricardo Salgado foi interrogado pela Justiça sobre este caso “foram-lhe apresentadas suposições, e não factos e provas”.

Numa crítica ao juiz Carlos Alexandre, cujo nome não foi mencionado, a defesa de Ricardo Salgado disse ainda que o Ministério Público tem o conforto de saber que o magistrado responsável pela instrução criminal do processo “em regra se limita a aderir” às teses dos procuradores, isto quando não vai ainda “mais longe”. Proença de Carvalho qualificou como “desnecessárias e desproporcionais” as medidas de coacção aplicadas ao seu cliente, que chegou a estar em prisão preventiva em casa. E como “abusivos e indiscriminados” os arrestos que lhe foram feitos, o último dos quais sobre a sua pensão de 39 mil euros. 

“Ricardo Salgado não se deixará condicionar ou esmagar por qualquer acto abusivo praticado por quem deveria ser o primeiro a defender a legalidade”, prometeu o advogado. “E levará até às últimas consequências a sua defesa”, terminou. 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações